(Superliga) Sesc-RJ faz dever de casa e ganha da Apan/Blumenau

Pela 6ª rodada da Superliga 2019/2020, o Sesc-RJ fez seu dever de casa e ganhou da Apan/Blumenau por 3 sets a 0, parciais de 25/22, 25/16 e 25/22, no ginásio do Tijuca Tênis Clube. Depois de um inicio equilibrado, os cariocas tomaram conta da partida e com um ótimo trabalho de Marlon, garantiu mais uma vitória. Com o resultado, a equipe comandada por Giovane Gavio chegou aos 16 pontos e assumiu a vice-liderança. Já os catarinenses pararam nos oito pontos e caíram para a 6ª colocação. 

A primeira parcial mostrou a qualidade do Apan Blumenau, que tem conquistado bons resultados nesta Superliga. Sem se importar com o fator casa, o time de Santa Catarina entrou em quadra disposto a deixar o jogo duro para o Sesc-RJ. Quando o placar apontava 2 a 1 para os visitantes, o levantador Felipe se chocou com o oposto Franco e levou a pior. A partida precisou ser paralisada para atendimento médico, mas logo recomeçou com todos em quadra.

E o Sesc-RJ conseguiu abrir uma pequena vantagem em um bloqueio de Flavio: 5 a 4. Com Wallace em um lindo ataque pela saída de rede, na paralela, o time carioca ampliou: 10 a 8. Novamente o oposto campeão olímpico foi decisivo: fez um ace e a diferença no marcador chegou a três pontos: 15 a 12. E não diminuiu mais: 25 a 22, em um ataque de Mauricio Borges.

A vitória no set anterior deu o moral que o Sesc-RJ precisava para mandar no jogo. Em um bloqueio de Gustavão, o time de Giovane Gávio abriu 3 a 0. O técnico André Donegá pediu tempo, tentou trazer seus jogadores para a partida novamente, mas não conseguiu. Após mais um pedido de tempo e um ace do central Flavio, o placar já mostrava 7 a 0 para o Sesc-RJ.Com tanta margem, os cariocas administraram bem e mantiveram o Blumenau distante. Em uma linda jogada de meio fundo, Martinez marcou 19 a 11. E Flávio fechou numa chutada: 25 a16.

A terceira e última parcial foi surpreendente. Blumenau não se deu por vencido e conseguiu abrir 5 a 1. Giovane Gávio pediu tempo e conseguiu recuperar sua equipe, que buscou o empate em 6 a 6. A partir daí, o equilíbrio ditou o ritmo. As equipes trocaram pontos e o Sesc-RJ só conseguiu abrir uma boa vantagem mais para o final. Quando o marcador apontava 19 a 14, o técnico de Blumenau parou a partida, tentou uma última cartada, mas já era tarde: 25 a 22, em um erro de saque dos visitantes.

“Fico feliz por ver a equipe evoluindo, melhorando e entendendo melhor o sistema de jogo implantado pelo Giovane. E isso tudo se deve à dedicação e ao comprometimento que todo mundo tem demonstrado nos treinamentos diários. Essa semana a gente fez um trabalho bem puxado, tanto que chegamos um pouco mais cansados que o normal na partida de hoje. Estamos nos esforçando muito para conseguir chegar no topo, no ápice da nossa performance o quanto antes”, analisou o levantador Marlon.

“Não é desculpa, mas a gente vem de uma maratona de jogos fora de casa. Fomos a Ribeirão Preto, voltamos a Blumenau, viemos para cá (Rio de Janeiro). Sabíamos que ia ser pesado, pois é um time muito forte do outro lado, mas precisamos ter mais tranquilidade porque teremos mais jogos como esse”, afirmou o líbero Filipinho.


O Sesc-RJ só retorna a quadra agora no domingo, dia 15, às 20h, quando encara o Sesi-SP, no ginásio da Vila Leopoldina. Já a Apan/Blumenau joga neste sábado, às 20h, contra o América Vôlei, no ginásio Tancredo Neves.

Equipes:

Sesc-RJ: Marlon, Wallace, Maurício Borges, Jan Martinez, Flávio, Gustavão e Alexandre (líbero)|
entraram: Tiago Brendle, Matias Sanches, Daniel e Ademar
técnico: Giovane Gavio

Apan/Blumenau: Felipe Santos, Franco, Iallisson, Babu, Ricardo Jr., Daniel Muniz e Filipinho (líbero)
entraram: Kelvin, Arthur, Dayan, Lucaian, Bernardo e Jamelão
técnico: André Donegá

foto: Luciano Belford

Comentários