(Superliga) Sesc-RJ impõe forte volume de jogo e vence América Vôlei

Em duelo válido pela rodada inaugural da Superliga 2019/2020, o Sesc-RJ derrotou o América Vôlei por 3 sets a 0, parciais de 14/25, 19/25 e 24/26, no ginásio Tancredo Neves, em Montes Claros. Com forte trabalho de ataque-defesa, os cariocas impuseram um grande volume de jogo desde o início da partida e conseguiram administrar a vantagem nos dos primeiros sets. O técnico Henrique Furtado, que teve as ausências do central Pedrão e do ponteiro Jonatas (lesionados) até buscou alternativas, e viu seu time reagir na terceira parcial, mas acabou superado pela equipe do Rio de Janeiro.

O primeiro ponto do Sesc-RJ no torneio foi através de um erro de ataque do América Vôlei. Com um saque muito agressivo, que facilitou a marcação do bloqueio, a equipe carioca não deu muita chance para os mineiros. Abrindo vantagem desde o início da parcial (8 a 4), o Sesc-RJ se aproveitou muito bem dos contra-ataques. Com 19 a 10 Giovane fez a inversão do 5 em 1, dando ritmo de jogo para o levantador Marlon que se recupera de uma lesão na panturrilha direita. A equipe fechou a parcial em 25 a 14.

No segundo set o América tentou pressionar o Sesc-RJ, mas a jovem equipe mineira não conseguiu sustentar o forte ritmo de jogo imposto pelos experientes jogadores da equipe carioca. Mantendo a pressão do saque, e com uma boa relação de bloqueio e defesa, o Sesc-RJ, que teve como destaque o ponteiro Maurício Borges (eleito o melhor da partida) fechou o set em 25 a 19 com um erro de saque do América.

A terceira parcial foi a mais equilibrada com o América tendo mais sustentação na recepção, sem deixar o Sesc-RJ abrir a vantagem dos outros sets. Na metade do set Giovane novamente deu ritmo de jogo a Marlon e Daniel. A dupla jogou até o 23º quando a formação inicial voltou a quadra. O América chegou a empatar em 24 a 24 com um bloqueio sobre Mauricio Borges, mas o Sesc-RJ fechou o set em 26 a 24.

“Foi uma estreia e isso sempre gera uma ansiedade, mas a equipe se comportou bem, conseguiu imprimir um ritmo de saque importante e cometeu poucos erros na virada de bola. Começar com o pé direito é sempre importante. Agora vamos crescer degrau a degrau para as próximas partidas”, disse o técnico Giovane Gávio, que ainda falou sobre os desfalques da sua equipe.

“O Tiago Brendle sentiu a panturrilha e o Tiago Barth vem se recuperando de uma lesão no joelho. Além disso, os atletas estão voltando de uma temporada dura com a seleção brasileira e tenho certeza que ainda podem render mais. O caminho é longo, essa é uma Superliga bem equilibrada e temos que ter muita concentração e aproveitar as oportunidades que temos de vencer”, arrematou Giovane.

“Acho que hoje não jogamos um vôlei que poderíamos jogar. Para uma estreia poderíamos estar melhor depois de um Campeonato Mineiro forte, mas faz parte. Os jogadores demonstraram muita vontade. Acertamos, erramos, mas batalhamos muito dentro do jogo. A partir do terceiro set crescemos, mas não foi suficiente para enfrentarmos esse grande adversário que é o Sesc RJ. Agora vamos buscar melhorar para o próximo jogo”, concluiu o técnico Henrique Furtado.

O Sesc-RJ volta a quadra no próximo sábado, às 21h, para enfrentar o Vôlei UM Itapetininga, no ginásio do Tijuca Tênis Clube. Já o América Vôlei entra em quadra um dia antes, na sexta-feira, às 18h, diante do Sada/Cruzeiro, no ginásio do Riacho, em Contagem. 

Equipes:

América Vôlei:
 Rhendrick, Johansen, Pablo, Rammé, Lucas Fonseca, Renan e Lucas Bauer (líbero)
entraram: Kachel, Rafael Bairros e Tiago
técnico: Henrique Furtado

Sesc-RJ: Matias Sanchez, Wallace, Maurício Borges, Jan Martínez, Flávio, Gustavão e Alexandre Elias (líbero)
entraram: Marlon, Jan Martinez, Daniel e Ademar
técnico: Giovane Gavio

foto: Pedro Paraíso/América Vôlei

Comentários