CBV negocia pacotes comerciais e não tem definido preço de pay-per-view

Durante o lançamento da 26ª edição da Superliga, o superintendente de competições de quadra da Confederação Brasileira de Vôlei, Renato D´Ávila, informou que 100% dos jogos da competição estariam cobertos pelos parceiros de transmissões. SporTV (fechada), TV Cultura (aberta), Globoesporte.com (online gratuito) e TV NSports (streaming gratuito e pay-per-view). Abaixo, o Espaço do Vôlei detalha o que sabemos até o momento a respeito de como serão os serviços (no naipe masculino) de cada plataforma. 

SporTV: Sem muitas mudanças, o canal esportivo de TV fechada do Grupo Globo transmitirá uma partida por rodada , tendo no primeiro turno (o que já foi divulgado pela CBV) jogos as quartas-feiras, às 21h30min, e aos sábados, às 21h30min. Assim como nas últimas edições, o canal transmitirá todos os jogos dos playoffs (a principio com exclusividade). 

TV Cultura: Ao que tudo indica, a emissora trará pelo menos dois jogos por semana, sendo cada um deles de um naipe. A CBV vê com bons olhos a parceria e por se tratar de uma TV não comercial, a Globo poderia liberar mais algumas partidas para o canal, inclusive nos playoffs, entretanto isso seria uma negociação para mais adiante, dependendo do apelo de audiência. 

Globoesporte.com: O Grupo Globo vem reforçando algumas transmissões em sua plataforma de internet, inclusive com jogos gratuitos do Campeonato Brasileiro de Futebol. A intenção é atrair mais pessoas para o Globoesporte.com, existindo a possibilidade de transmissão de pelo menos uma partida por semana de cada naipe, com os horários sendo moldados de acordo com o interesse da programação. 

TV NSports: A TV da Netshoes chega mais uma vez como grande parceria da CBV. Na edição passada alguns jogos foram transmitidos, porém sua divulgação ocorria um ou dois dias antes da partida, o que este ano deve mudar devido a presença do Pay-per-view. A CBV negocia pacotes comerciais e algumas cotas juntos aos patrocinadores das equipes, com a intenção de pagar o custo de produção. 

A intenção é ter um jogo por rodada de forma gratuita e o restante das partidas no pay per view, que ainda não tem um preço definido. A questão agora é sabe se a qualidade do streaming seguirá boa e se alguns detalhes técnicos (principalmente falta de informação sobre jogadores e clubes) e qualitativos (narradores com ‘time’ de futebol e reportagens sem aprofundamento – lesões, ausências de atletas, situações de bastidores) serão corrigidos. 

A Superliga 2019/2020 começa no dia 9 de novembro e a CBV promete em breve divulgar todos os detalhes sobre as transmissões dessa 26ª edição. 

foto: Gaspar Nóbrega/Inovafoto/CBV

Comentários