Maringá Vôlei anuncia novos patrocinadores para a temporada 2019/2020

Em cerimônia realizada na última segunda-feira, o Maringá Vôlei anunciou dois novos patrocinadores para a temporada 2019/2020, casos da Tree Part, holding de inovação digital, e da GenBit, exchange de ativos digitais e que faz parte do grupo. O acordo com o time presidido pelo campeão olímpico Ricardinho engloba a participação na Superliga, além da Copa do Brasil e do Campeonato Paranaense. 

“Os nossos novos patrocinadores são empresas que entraram de cabeça no projeto, confiando no voleibol e acreditando realmente nessa modalidade esportiva, que é uma das maiores vencedoras de títulos no Brasil. Também gostaria de enfatizar que vamos trabalhar com a mesma determinação de equipe para buscar uma colocação ainda melhor na próxima temporada”, afirmou Ricardinho. 

“Para nós, as duas marcas que passam a estampar a camisa do time de Maringá são o reflexo de nossa cultura organizacional de incentivar o alcance e a oportunidade de ter mais atletas em times que não fazem parte dos grandes centros esportivos e, com isso, valorizar ainda mais o voleibol brasileiro em todo o território nacional”, explicou o presidente da Tree Part, Nivaldo Gonzaga dos Santos. 

Na temporada passada, o Maringá Vôlei foi vice-campeão estadual, fez ótima campanha na Superliga, terminando na 7ª colocação, e surpreendeu chegando as semifinais da Copa Brasil. Para 2019/2020, a diretoria já confirmou a permanência do técnico Alessandro Fadul, sendo que o anúncio dos novos patrocinadores viabilizam, principalmente, a montagem do elenco. 

Quanto a reforços, ainda não é oficial, mas o Maringá Vôlei estaria acertado com o líbero Fabio Paes, que estava no Vôlei Ribeirão, além do levantador Everaldo e do central Victor Hugo, ambos ex-Sesc-RJ. Por outro lado, já acertaram com outros clubes alguns destaques da temporada passada, como Hugo e Mário Jr. (ambos para o Botafogo), Rodrigo Ribeiro e Deivid (ambos para o Fiat/Minas), além do ponteiro Vini, que acertou com o Stroitel Minsk, da Bielorrússia. 

foto: Divulgação

Comentários