Com indefinição de orçamento, Vôlei Ribeirão demora na montagem do time

Com menos de dois meses para o início da temporada 2019/2020, a diretoria do Vôlei Ribeirão ainda trabalha para fechar o orçamento. Em negociação com o município e com parceiros anteriores e novos, a expectativa é que uma definição ocorra até o final de junho. O técnico Marcos Pacheco já declarou que gostaria de continuar no clube, que até o momento vê alguns dos seus destaques acertando suas transferências. 

“Falei com Lipe (presidente do Vôlei Ribeirão), que está fechando orçamento para que a gente consiga montar um time, hoje não tem orçamento fechado. A conversa é que o time continua. Gostaria muito de continuar. Dentro das conversas com o Lipe, existe essa perspectiva. Mantivemos a vaga na Superliga. Vim para um projeto, não uma aventura. Gostaria que esse projeto evoluísse, crescesse”, afirmou o técnico Marcos Pacheco, em entrevista ao Globoesporte.com 

Até o momento, quatro atletas que estiveram na temporada passada já acertaram com outros times: o central Petros foi para o EMS Taubaté/Funvic, o oposto Alisson acertou sua ida para o voleibol japonês, enquanto o líbero Fábio vai atuar pelo Maringá Vôlei e o ponteiro Gabriel será reforço do Sesc-RJ. Quanto a montagem do elenco, Marcos Pacheco afirma que devido a situação, o time sai atrás dos adversários, tendo que correr atrás do tempo perdido. 

“Já estamos atrasados. Aliás, muito atrasados. Se pensarmos que a temporada começa no final de julho, é um mês e meio, temos que fazer a pré-temporada, a parte física e também temos que remontar o elenco, tem a mentalidade de trabalho, filosofia de jogo que novos jogadores precisam assimilar e isso leva tempo”, completou Marcos Pacheco. 

foto: Renan Bin/FollowX Comunicação

Comentários