domingo, 20 de agosto de 2017

Sem apoio e problemas de estrutura, Rádio Clube/AVP decide fechar as portas

Infelizmente mais um projeto interessante está fechando suas portas devido a falta de apoio. O Rádio Clube/AVP, que no início deste ano disputou a Superliga B e recentemente participou da Taça Ouro, resolveu, em reunião de sua diretoria realizada no último sábado, encerrar suas ações, já que as dificuldades para se manter estavam ficando cada vez mais inviáveis.

“A gente iniciou o projeto com o planejamento de 12 meses e estamos já com um ano e sete meses de funcionamento, bancando todas as despesas. Isso até não seria o problema para continuarmos, porém tivemos problemas de estrutura, já que desde a Superliga B não tínhamos nem quadra pra treinar, e a partir de amanhã (segunda-feira) o Instituto Mirim (onde hoje a equipe treina atualmente) não cederá o espaço. Um outro local foi apresentado para nós, mas é longe de onde os atletas moram e nos foi proposto um horário que atualmente usamos para a academia, já que temos uma parceria”, declarou o diretor de esportes do Rádio Clube/AVP, Geninho Alves.

Independente de resultados em quadra, o Rádio Clube/AVP vinha desenvolvendo um trabalho com jovens atletas e fazendo o Mato Grosso do Sul e, principalmente, a cidade de Campo Grande ser reconhecida no cenário nacional do esporte de alto rendimento. Impossível imaginar uma capital sem ter pelo menos um ginásio em condições de receber um elenco de voleibol.

“Conseguimos mostrar nosso trabalho em um ano e nosso pensamento era de entrar junto a prefeitura com a Lei de Incentivo, até para que eles nos indicassem para empresas dispostas a virem no projeto conosco e alavancar o nome da cidade e do Estado no Brasil. Infelizmente eles não fazem isso e não tem interesse, pensando assim até que ponto vale a pena. A conclusão é que não temos quadra, não temos academia e pelo visto eles não estão afim de nos ajudar nesse sentido. E por conta disso tudo paramos o projeto. É triste, mas não temos nem quadra pra treinar nesta semana”, explicou o dirigente.

A AVP (Associação de Vôlei do Pedregal) surgiu em agosto de 2015 com o intuito de fomentar o voleibol em Estado do Mato Grosso do Sul, de federados ou não. No primeiro ano conquistou a VII Copa Cidade, torneio que venceu novamente em 2016. No segundo ano, além de várias outras copas, se classificou na Taça Prata, foi campeã (3ª divisão) nos Jogos Universitários Brasileiros, representando a Uninter, e venceu os Jogos Regionais, atuando por Monte Mor. Em 2017 foi vice-campeão da Liga do Desporto Universitário e disputou a Superliga B, terminando na 9ª colocação.

foto: Divulgação

2 comentários:

  1. Se fosse para abrir um puteiro, teria todo apoio da corja, mas é somente esporte! Algo que não interessa a política suja e corrupta!

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo,nessas horas a ACV e Cbv só olham pro seus protegidos que se danem os outros times. Corintnhians entrou na superliga sem disputar taça prata ,superliga b e o escambau. CBV armou a "taça ouro"e a ACV sequer se manifestou em defesa dos clubes que cumpriram o regulamento e disputaram a liga b. É uma máfia só.Manda quem tem dinheiro.

    ResponderExcluir