sexta-feira, 7 de julho de 2017

(Liga Mundial) Brasil supera os Estados Unidos e vai disputar a final

Apoiada pela torcida na Arena da Baixada, em Curitiba, a Seleção Brasileira derrotou os Estados Unidos por 3 sets a 1, parciais de 25/20, 23/25, 25/20 e 25/19, garantindo assim uma vaga na decisão da Liga Mundial. Os comandados de Renan Dal Zotto enfrentarão na final a França (melhor time da fase classificatória) que passou nas semifinais pelo Canadá.

O Brasil abriu o jogo com ponto de saque de Maurício Souza. No lance seguinte, depois de outro bom saque de Souza, Maurício Borges pontuou no ataque. Wallace ainda marcou 3 a 0. A seleção brasileira ainda abriu 5 a 2. Os Estados Unidos reagiram, encostaram em 5 a 6 e forçaram o técnico Renan a pedir tempo. O time da casa voltou a abrir em 10 a 7. No ace de Patch, os Estados Unidos marcaram 9 a 10. O placar se manteve equilibrado, com um de vantagem para o Brasil (13 a 12). Depois de bom saque de Lucão, Lucarelli pontuou e a seleção brasileira abriu 15 a 12. O adversário pediu tempo. Depois de outro bom saque de Lucão, Wallace matou e fez 16 a 12. O time de Renan seguiu bem e fez 18 a 14. A diferença foi para cinco pontos em 20 a 15. Lucão marcou 23 a 19. No erro de saque dos Estados Unidos, o Brasil fechou em 25 a 20.

A seleção brasileira saiu na frente e, com Wallace, abriu 4 a 1. Os Estados Unidos buscaram e no erro do Brasil, chegaram ao ponto de empate: 5 a 5. Com mais um erro da equipe da casa, o time norte-americano virou o set (7 a 6). O adversário esteve com dois de vantagem em 10 a 8. No ponto de saque, os Estados Unidos fizeram 13 a 9 e Renan pediu tempo. O Brasil reduziu a diferença para 11 a 13 e encostou no placar em 12 a 13. Com Lucão, o ponto de empate (13 a 13). Em um potente ataque de Lucão, 15 a 15. A parcial seguiu bastante disputada, com vantagem norte-americana em 18 a 16. Quando o adversário marcou mais um, Renan pediu tempo. A vantagem aumentou em 22 a 17. Em boa passagem de Maurício Souza pelo saque, a seleção brasileira reagiu e, no saque de Lucão, fez 20 a 22. Os Estados Unidos pediram tempo. Na volta, Wallace marcou 21 a 22. O Brasil empatou em 23 a 23. Os Estados Unidos fecharam em 25 a 23.

O Brasil começou melhor no terceiro set e abriu 4 a 0. Wallace ainda marcou 5 a 1. No erro do adversário, a seleção brasileira chegou a 7 a 3. E no bloqueio simples de Maurício Souza, 8 a 3. Na volta do pedido de tempo dos Estados Unidos, Lucão pontuou no saque e fez 9 a 3. Os Estados Unidos reagiram e, contando com erros da equipe da casa, fizeram 9 a 12. Renan pediu tempo. No ponto de saque de Bruninho, o Brasil marcou 14 a 9. O time brasileiro esteve no comando do placar em 15 a 10. Com Maurício Souza, o placar foi a 18 a 13. O placar esteve em 20 a 16. A vantagem brasileira ainda foi a 22 a 18 e os Estados Unidos pediram tempo. Lucarelli fez 23 a 18. No final, no erro do adversário, o Brasil fechou em 25 a 20.

A seleção brasileira saiu na frente e os Estados Unidos chegaram ao ponto de empate em 2 a 2. Depois de boa defesa de Bruninho, o Brasil marcou 5 a 3 no bloqueio triplo. O placar ainda foi a 7 a 5. Os norte-americanos reagiram e deixaram tudo igual em 7 a 7. O Brasil abriu vantagem em 11 a 8 e o adversário pediu tempo. No ponto de bloqueio, a seleção dos Estados Unidos deixou tudo igual no placar (11 a 11) e Renan parou o jogo. Depois de bloqueio de Bruninho, 13 a 12. A equipe da casa abriu 16 a 13. O time brasileiro ainda marcou 20 a 17 e comandou o set até fechar em 25 a 19.

“Hoje erramos menos, até pelo fato deles não terem tido a oportunidade de jogar com a claridade do dia. Estudamos muito o time deles, sabíamos que eles não têm exímios passadores e entramos com a mentalidade de forçar o nosso saque e, caso não desse certo, mudaríamos para o flutuante”, disse o oposto Wallace.

“Estamos muito felizes pelo desempenho da equipe hoje e pela conquista de uma disputa para essa grande final. Tivemos pouco tempo, já que só conhecemos o adversário ontem à noite, depois do jogo, para estudar o adversário, para nos preparar, mas fiquei bastante feliz pelo comprometimento e por tudo que conseguimos durante essa Liga Mundial. Crescemos como time, isso foi muito bom e chegamos nessa final em um bom momento”, afirmou o técnico Renan Dal Zotto.

Equipes:

Brasil: Bruninho, Wallace, Lucão, Maurício Souza, Maurício Borges, Lucarelli e Thales (líbero)
entraram: Éder, Tiago Brendle, Rapha e Renan
técnico: Renan Dal Zotto

Estados Unidos: Sander, Jaeschke, Patch, Smith, Jendryk, Christenson e Erik Shoji (líbero)
entraram: Muagututia, K. Shoji e McDonnell
técnico: John Speraw

foto: FIVB/Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário