quinta-feira, 18 de agosto de 2016

(Jogos Olímpicos) Finalistas em 2012, Brasil e Rússia se reencontram na semi

Nesta sexta-feira, às 22h15min, a Seleção Brasileira encara a Rússia, no ginásio do Maracañazinho, pelas semifinais dos Jogos Olímpicos Rio/2016. O encontro será a reedição da final olímpica de quatro anos atrás, quando os russos viraram o jogo e venceram os brasileiros por 3 sets a 2 em Londres. O duelo não apresenta favorito, ainda mais pelas campanhas que os dois fizeram até aqui na competição.

O Brasil chega para a semifinal com três vitórias (México, Canadá e França) e dois resultados negativos (Itália e Estados Unidos) na fase classificatória, pelo Grupo A, e depois de bater a Argentina na fase de quartas de final. A Rússia teve quatro resultados positivos (Polônia, Irã, Cuba e Egito) e perdeu um jogo (Argentina) na primeira fase e, na rodada passada, levou a melhor sobre o Canadá.

Mesmo não tendo feito uma partida excepcional até aqui, a Seleção Brasileira conta com o maior pontuador do torneio, no caso o oposto Wallace, que diante da Argentina foi fundamental, ainda mais com as lesões de Lucarelli e Lipe. Para o atacante, que tem 109 pontos marcados em seis jogos, os números não são o primordial. Já para o líbero Serginho, o time precisa ficar alerta para a força física do adversário.

“Só se ganha um jogo e, principalmente uma Olimpíada, com o grupo todo. Nós estamos provando que temos os 12 jogadores preparados para quando for preciso e foi assim que conseguimos chegar nessa semifinal. É assim que vamos continuar, com todo o grupo unido e se ajudando sempre. Nessa altura do campeonato, não tem favoritismo, nem camisa. Qualquer um pode ganhar”, afirmou Wallace.

“Agora é uma outra situação. É pressão o tempo inteiro, mas nós estamos calejados. Vai ser mais um jogo difícil, como foi contra a Argentina. A Rússia tem uma tradição gigantesca, é um adversário alto, não dá para ir para cima deles no ataque, não adianta medir força, porque eles são mais fortes. Vamos fazer um jogo de paciência e buscar o resultado. Temos que saber jogar contra eles”, disse Serginho.

Pelo lado da Rússia, a derrota para a Argentina na fase classificatória não estava nos planos, tanto que o resultado fez a equipe ficar na 3ª posição do Grupo B. O técnico Vladimir Alekno sabe que precisa sacar bem para tirar a velocidade do ataque brasileiro e para isso conta com o bom momento do oposto Mikhaylov e do ponteiro Tetyukhin, que são as principais referências ofensivas da equipe. 

A outra semifinal será entre Estados Unidos e Itália, que se enfrentarão também na sexta-feira, às 13h. 

Equipes:

Brasil:
Bruninho, Wallace, Lucão, Maurício Souza, Lucarelli, Lipe e Serginho (líbero)
técnico: Bernardinho

Rússia: Grankin, Mikhaylov, Tetyukhin, Kliuka, Volvich, Volkov e Verbov (líbero)
técnico: Vladimir Alekno

foto: FIVB/Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário