sábado, 20 de agosto de 2016

(Jogos Olímpicos) Em quarta final consecutiva, Seleção Brasileira pega a Itália

Depois de terminar na 4ª posição do Grupo A, vencer Argentina nas quartas de final e Rússia, na semifinal, a Seleção Brasileira decide a final dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro neste domingo, às 13h15min, no ginásio do Maracanãzinho. O confronto vai ser contra a Itália, que chega para a decisão tendo perdido apenas um jogo. Brasileiros e italianos se enfrentaram na final olímpica de 2004, quando o time verde e amarelo ficou com o título.

Essa é a quarta final olímpica consecutiva do Brasil. Em Atenas/2004, a seleção verde e amarela ficou com o ouro, e em Pequim/2008 e Londres/2012, com a prata, perdendo para Estados Unidos e Rússia, respectivamente. Nas quatro, a equipe contou com Bernardinho na beira da quadra e com Serginho dentro dela. Hoje, aos 40 anos, o líbero é um dos mais entusiasmados para a disputa pela medalha de ouro.

“Esse momento é a melhor coisa da vida. Quatro finais olímpicas, quatro medalhas e só tenho a agradecer. Sei da onde eu vim e fui escolhido para estar no meio desses caras. Para mim, vai ser muito especial e como se fosse a primeira final”, disse Serginho, emocionado com o atual momento, mas completamente focado para subir ao lugar mais alto do pódio.

“É final olímpica e temos que pensar em ganhar bloqueando, defendendo, sacando, atacando e jogando muito voleibol. Nosso time se mostra forte quando é necessário e é isso que temos que fazer amanhã de novo. A Itália está sacando muito bem e essa é uma arma deles contra o nosso time. Temos que ter muita sabedoria, como foi contra a Rússia. Temos que ter cabeça no lugar. A Itália vem jogando bem, ganhou da gente, tirou os Estados Unidos, vem fazendo uma campanha brilhante”, complementou o líbero brasileiro.

Assim como Serginho, o central Lucão prega atenção com os italianos. Conhecendo bem a maioria dos jogadores que estarão do outro lado, por ter atuado na Serie A1 na temporada passada, o atacante brasileiro sabe que a seleção brasileira tem motivos para se preocupar. Quanto a situação dos ponteiros Lucarelli e Lipe, os dois estão fazendo tratamento intensivo e serão novamente testados antes de iniciar o confronto.

“O saque é o grande ponto forte deles no campeonato. Temos que tentar abrir vantagem desde o começo, sem deixar para decidir no final de cada set. É um jogo difícil, contra uma equipe de qualidade muito grande. Temos que tomar cuidado com todos os jogadores. Já enfrentamos o time deles tantas vezes nesse ciclo e conhecemos bem o esquema de jogo. É a equipe mais regular que eu vi jogar”, afirmou Lucão.

Pelo lado italiano, que fez a melhor campanha do Grupo A, tendo inclusive vencido o Brasil, o momento não poderia ser melhor, ainda mais após a vitória emocionante diante dos Estados Unidos na semifinal. O técnico Gianlorenzo Blengini conta com um trio de atacantes muito fortes, casos de Juantorena, Zaytzev e Lanza, sendo que esse último ganhou a titularidade na reta final da Liga Nacional e nos Jogos Olímpicos conseguiu dar consistência no passe e ser mais uma opção ofensiva na equipe italiana. 

Equipes:

Brasil: Bruninho, Wallace, Lucão, Maurício Souza, Lucarelli, Lipe e Serginho (líbero)
técnico: Bernardinho

Itália: Giannelli, Zaytsev, Juantorena, Lanza, Buti, Birarelli, e Colaci (líbero)
técnico: Gianlorenzo Blengini

foto: FIVB/Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário