domingo, 14 de agosto de 2016

(Jogos Olímpicos) Brasil perde para a Itália e liga sinal de alerta por vaga

Pela quarta rodada da fase classificatória dos Jogos Olímpicos Rio/2016, a Seleção Brasileira perdeu, de virada, para a Itália por 3 sets a 1, parciais de 25/23, 23/25, 22/25 e 15/25, no ginásio do Maracañazinho. Com o resultado, o time verde e amarelo caiu para o quarto lugar do Grupo A, com seis pontos, e precisa vencer a França, na próxima segunda-feira, para chegar as quartas de final.

A partida iniciou com as duas equipes errando muito saque, mostrando o nervosismo que ambos estavam em quadra. No placar, o jogo era equilibrado: 9 a 9, até que na boa passagem de Lanza, a Itália abriu 9 a 12. Com Maurício Souza estreando, a equipe brasileira ganhou força no bloqueio e com a entrada de Lipe, o Brasil empatou em 15 a 15. Os italianos tinham, a força de Zaytsev e voltaram a se distanciar: 21 a 23, porém com Wallace soltando o braço, a Seleção Brasileira virou e fechou em 25 a 23.

Mesmo sem jogar seu melhor voleibol Lucarelli conseguia surpreender o bloqueio adversário, tanto que no início do segundo set a vantagem era de dois pontos: 7 a 5. Entretanto, os erros da Seleção Brasileira, principalmente no saque, facilitavam a vida do adversário, que virou e abriu 9 a 12. O ponteiro Lanza desequilibrava no saque, porém mesmo com passe B, Bruninho fazia uma boa distribuição, o que ajudou os donos da casa a passarem na frente do placar: 15 a 14. Na reta final, muito equilíbrio e tensão, porém novamente o saque adversário fazia um estrago na recepção brasileira e os italianos deram o troco: 23 a 25.

Sem pensar na derrota na parcial anterior, os comandados de Bernardinho iniciaram o terceiro set com muita intensidade e colocando 5 a 1 no placar. O entrosamento de Bruninho com Lucão funcionava, o que mantinha a equipe da casa na frente: 10 a 7, porém com falhas novamente no passe e no bloqueio, os italianos passaram a frente: 12 a 11 e logo a diferença foi 15 a 12. Após o ‘apagão’, Wallace acabou assumindo a responsabilidade dos pontos e ajudou a equipe a empatar: 17 a 17, mas Zaytsev estava impossível do outro lado, o que fez a Itália fechar em 22 a 25.

Sem chance de classificar de forma antecipada, o que se viu foi certo abatimento na Seleção Brasileira no quarto set. Os erros seguiam, principalmente no passe, e se aproveitando disso a Itália foi para cima: 7 a 11. Em determinado tempo da parcial, o time de Gianlorenzo Blengini colocou 18 a 10 no placar, algo que calou o Maracañazinho. No final, sem poder de reação, o time verde e amarelo acabou perdendo por incríveis 15 a 25.

“Foi um jogo diferente dos outros. Jogamos com um peso enorme na quadra e temos de jogar mais solto. Cometemos erros bobos. Os três primeiros sets foram jogados e no quarto set se perdeu um pouco de lucidez. Estamos decepcionados, mas ainda temos uma chance e temos de nos concentrar neste duelo contra a França”, afirmou o levantador Bruninho.

“Precisamos nos recuperar física e mentalmente. Estamos errando demais, coisas bobas. Uma derrota assim é muito difícil. A França vai vir para o ‘tudo ou nada’ e a gente também está com a corda no pescoço”, disse o líbero Serginho.

Ainda pelo Grupo A, neste sábado, os Estados Unidos venceram a França por 3 a 1, enquanto o Canadá fez 3 a 0 no México. Com esses resultados, a Itália (classificada) lidera com 12 pontos, seguida de França, Canadá, Brasil e Estados Unidos, todos com seis pontos, enquanto o México (eliminado) não pontuou. 

Pelo Grupo B, a Argentina aplicou 3 a 0 em Cuba, a Rússia venceu por 3 a 2 a Polônia e o Irã ganhou por 3 a 0 do Egito. A última rodada só servirá para definir o posicionamento das equipes nas quartas de final, já que Argentina (nove pontos), Polônia (nove), Rússia (oito) e Irã (sete) estão classificados. Egito, com três, e Cuba, com zero estão eliminados.

Equipes:

Brasil: Bruninho, Wallace, Lucão, Maurício Souza, Lucarelli, Maurício Borges e Serginho (líbero)
entraram: Lipe, William, Evandro, Douglas Souza e Éder
técnico: Bernardinho

Itália: Lanza, Zytsev, Juantorena, Buti, Piano, Giannelli e Colaci (líbero)
entraram: Birarelli, Vettori e Rossini
técnico: Gianlorenzo Blengini

foto: FIVB/Divulgação

Um comentário:

  1. Difícil comentar, porque tudo já vem sendo dito e há algum tempo.
    Tudo começou com o afastamento do Ricardinho em 2007. Ali começou a derrocada. Perdemos Pequim sem ver Ball x Ricardinho na final. Marcelinho e André Nascimento, até então brilhante, pagaram a conta.
    Depois Bruninho assume a titularidade e ainda foi imposto como capitão??????? Um frangote mimado e chato pra caralho, que não tinha nem nunca teve liderança.
    Não é para querer tirar o mérito do Bruno, mas ganhamos o Mundial de 2010 devido ao time que estava bom ainda, mesclado com os antigos como Rodrigão, Giba, Dante e Vissotto, Marlon para apagar o incêndio e a chave: tínhamos o melhor do Mundo, Murilo, nas cosas de quem ganhamos o Mundial. Essa vitória, num campeonato fraco e mal armado para favorecer a fraca seleção italiana, numa final contra a inexperiente seleção cubana, deu uma falsa ideia de que tudo estava bem. Dante e Giba já não eram os mesmo. Já naquele tempo o Bruninho não levantava bem para as pontas e forçava o Leandro Vissoto a atacar bolas aceleradas, o que não é a dele. Terminou por sair da seleção. Murilo viria a pagar com o ombro. A partir disso só derrota. Em Londres fizeram a sacanagem de tirar o Marlon e trouxeram de volta Ricardinho???? com 200 quilos a mais, sem entrosamento com o grupo, com Giba, Dante e Vissoto quebrados. Murilo jogando sozinho, porque Lucão e Sidão nunca jogaram. Wallace já era reserva. Perde-se para Rússia. Murilo perde o ombro e não foi mais o mesmo. Mais derrotas. Sai Ricardinho e entra Rapha, tricampeão da Itália com o Trentino entre diversos outros títulos de expressão e chega para ser reserva de Bruno, jogando a Superliga!!!! Rapha é tido como ruim. Entra William, o mago, na reserva. Só entra na inversão até hoje, e ontem pela PRIMEIRA VEZ, substituiu Bruninho. Pena que já entrou com o jogo perdido. Nunca pode jogar com Wallace na seleção, assim como em Londres Rigordinho não pode cruzar com Giba!!!! Vem Lucarelli, ou melhor Lucamarelli. Nunca ganhou nada nem em clube nem na seleção e é titular absoluto e intocável, assim como Lucão que só erra saques e não bloqueia. A essa altura já tá tudo errado. Não há mais sentido. O único que joga é Serginho, da geração de ouro. Geração com brio, de homens, que defendiam o país, que jogavam pra ganhar e nunca se abateram, nem nas derrotas. Vem essa geração de amarelões, sem responsabilidades, mimados e chatos pra caralho. Trazem de volta a geração de prata, e agora, talvez, nem isso.
    O Bernardinho e o Bruninho não dão entrevistas quando perdem. Isso é o cúmulo do desrespeito, no próprio país. Que palhaçada. Marrentos de merda, orgulhosos e arrogantes. Igual a Venturini que destruía a relação dos grupos no feminino. Minha felicidade é ver o Bruno perder e nunca ter ganhado o ouro olímpico até hoje. É a justiça sendo feita de várias formas, e seu pai pagando nele seu nepotismo e despotismo.
    Sem mais. Já tô com ódio. Não comentarei mais sobre o masculino.

    ResponderExcluir