domingo, 21 de agosto de 2016

(Jogos Olímpicos) Brasil derrota a Itália e conquista a medalha de ouro

Na grande decisão dos Jogos Olímpicos Rio/2016, a Seleção Brasileira derrotou a Itália por 3 sets a 0, parciais de 25/22, 28/26 e 26/24, no ginásio do Maracanãzinho. Com isso, a equipe verde e amarela conquista sua terceira medalha de ouro (Barcelona/1992 e Atenas/2004), mostrando sua força no cenário mundial, já que ainda soma as três pratas (Los Angeles/1984, Pequim/2008 e Londres/2012). 

A Itália iniciou forte no saque e no bloqueio, abrindo 1 a 4. Após dois erros seguidos do adversário, o Brasil encostou: 3 a 4 e o duelo seguiu equilibrado, até uma boa passagem de Giannelli no saque: 6 a 9. Com Lucarelli fazendo um ace, os donos da casa encostaram novamente: 10 a 11, porém os italianos conseguiam se manter a frente do placar, mesmo com muitos erros de saque. Após bela defesa de Bruninho e virada de Lipe, o time verde e amarelo virou: 13 a 12, consequentemente uma boa passagem de Mauricio Souza fez o Brasil abrir 16 a 12. Na sequência, Wallace foi quem teve grande passagem no saque: 19 a 14, porém a Itália seguia forçando no mesmo fundamento. Na inversão do 5-1, os brasileiros seguiram em vantagem: 22 a 19 e no final, através do erro de saque de Zaytsev, o Brasil fez 25 a 22.

Novamente, a Itália iniciou melhor em quadra no segundo set e abriu 1 a 4, após ace de Juantorena. Entretanto, a equipe brasileira logo se recuperou e em uma bola rápida de meio de Lucão encostou: 5 a 6. Com Wallace bem no ataque e no bloqueio, o Brasil empatou: 9 a 9 e após duas grandes defesas veio a virada: 12 a 11. Como se fosse uma repetição da parcial anterior, uma boa passagem no saque fez o placar disparar em 14 a 11. Os italianos se recuperaram com Zaytsev, deixando o duelo equilibrado: 14 a 14, porém a seleção brasileira segurava a pressão e mantinha a frente no placar. No 20 a 20, um ace do oposto italiano colocou os europeus na frente: 20 a 21, porém após bom saque de Bruninho e ataque de Wallace, veio a virada: 23 a 22. No final, muito equilíbrio a cada ponto: 26 a 26 e acabou com vitória por 28 a 26 após saque de Maurício Souza e erro de Lanza na recepção.

O terceiro set começou equilibrado, com Bruninho distribuindo bem as bolas entre as jogadas de ponta e o meio, enquanto os italianos sofriam com o passe, mas conseguiam virar as bolas: 5 a 5. Era difícil alguma equipe abrir dois pontos, ainda mais com as variações de jogadas de cada lado: 10 a 10, porém com uma largada de Maurício Souza, o placar foi para 13 a 11. Enquanto a Itália tinha Zaytsev, o Brasil tinha Wallace, sendo eles os maiores pontuadores da partida: 15 a 15. O oposto, através de um bloqueio, ajudou os italianos a abrirem 15 a 17, mas logo na sequência ocorreu dois toques de Giannelli o que fez o Brasil virar: 19 a 18. Na bola de segunda de Bruninho, os donos da casa tinham 22 a 21 e com Wallace atacando demais o placar era de 23 a 22. No final, com um bloqueio perfeito, o Brasil venceu por 26 a 24.

“A Itália começou na frente em todos os sets e nós buscamos o resultado. Isso é muito difícil. Tivemos tranquilidade de armar as jogadas e sacar taticamente bem. Acredito que esse grupo amadureceu de 2012 até aqui. Nossa atitude dentro de quadra mudou a partir da partida com a França. Muitas pessoas não acreditavam em nós. Fomos ganhando os jogos e a torcida sempre nos apoiando em todos os momentos. Fico feliz de conseguirmos retribuir esse carinho da torcida com essa medalha de ouro. A felicidade é muito grande, todo o trabalho e o sacrifício valeram a pena”, disse o oposto Wallace.

“Histórias como a dessa medalha de ouro acontecem somente no esporte. Estávamos a beira do abismo e conseguimos dar essa volta por cima. Depois de quatro anos sem conquistar um título grande e sendo tachados de geração que só bate na trave e não consegue vencer, veio essa medalha de ouro na frente do nosso povo. Isso é muito trabalho, suor e sacrifício e esse grupo merece demais tudo isso”, afirmou o levantador Bruninho.  

Equipes:

Brasil: Bruninho, Wallace, Lucão, Maurício Souza, Lucarelli, Lipe e Serginho (líbero)
entraram: William, Evandro e Maurício Borges
técnico: Bernardinho

Itália: Giannelli, Zaytsev, Juantorena, Lanza, Buti, Birarelli, e Colaci (líbero)
entraram: Rossini, Antonov e Sottile
técnico: Gianlorenzo Blengini

foto: FIVB/Divulgação

Um comentário: