quinta-feira, 28 de julho de 2016

Serginho merece ser o porta-bandeira na abertura dos Jogos Olímpicos

O COB indicou três medalhistas olímpicos: Robert Scheidt, Serginho e Yane Marques para ser o porta-bandeira brasileiro na abertura dos Jogos Olímpicos Rio/2016. O público vem escolhendo através de votação no site do Globoesportecom quem terá a honra e o vencedor será anunciado no próximo dia 31, no programa Fantástico, da Rede Globo.

Atualmente, o líbero da Seleção Brasileira se dedica aos treinos no Centro de Desenvolvimento de Voleibol, em Saquarema, no Rio de Janeiro, onde a equipe de Bernardinho faz os últimos ajustes antes da estreia nos Jogos Olímpicos, no dia 7 de agosto, contra o México, no Maracañazinho. Serginho procura não pensar muito na possibilidade de ser o representante do país na cerimônia de abertura no dia 5, no estádio do Maracanã.

“Estamos muito concentrados nos treinamentos, nessa última semana que temos aqui em Saquarema, e todo o foco é necessário para chegarmos com tudo nos Jogos (...) Acho que essa pessoa poderia ser um trabalhador que represente o Brasil, um cidadão que pega o ônibus às 5h da manhã e vai trabalhar para colocar um prato de comida em casa”, afirmou Serginho, que mesmo não se sentindo a altura de conduzir a bandeira do Brasil se mostrou feliz em ser indicado.

“Eu sou um dos três escolhidos e se for eu o mais votado, vou ficar muito honrado, claro. É motivo de muita felicidade estar entre esses monstros do esporte brasileiro, que são o Robert e a Yane. Mas, não sei se me sinto no direito de carregar a bandeira do nosso país, não me sinto herói olímpico a esse ponto”, completou.

O técnico Bernardinho reforça a campanha e valor de ter um jogador de vôlei como porta-bandeira do Brasil. Além disso, o comandante da seleção verde e amarela vê a presença de Serginho como uma forma de representar outros grandes nomes da modalidade que são da mesma geração que o líbero, como Gustavo, Dante, Giovane, Maurício, André Nascimento, André Heller, e tantos outros.

“É uma homenagem não apenas a um jogador, mas a uma geração. Acho que, se ele estiver lá, vai representando a várias gerações por ser um atleta do voleibol em uma situação tão importante, no Brasil, onde a visibilidade vai ser muito maior. O Sérgio, de uma certa forma, será o representante der um grande número de jogadores, principalmente de um grupo que na última década fez tantas coisas

Para o Espaço do Vôlei, a presença de Serginho como porta-bandeira seria uma homenagem do torcedor também para a Seleção Brasileira que representa muito bem nosso país mundo a fora. Além disso, ele é um exemplo de superação no esporte e na vida, tendo reinventado a posição de líbero e conquistado inúmeros títulos e medalhas, sendo três olímpicas (ouro em Atenas/2004, prata em Pequim/2008 e prata em Londres/2012).

foto: Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Um comentário:

  1. Entendo que é uma gratidão a um veterano do volei. Mas, será que consegue erguer a bandeira sem doer as costas? Já que ele não faz treinos físicos. Podia dar uma panela para o Bernadinho levar, ops, ele já tem uma grande panela! Rogerio - São Leo/RS

    ResponderExcluir