Falta de apoio da prefeitura pode fazer Voleisul deixar Novo Hamburgo

Como estamos falando seguidamente, a crise economia vem atrapalhando e muito o planejamento das equipes brasileiras para a temporada 2016/2017. Entre os prejudicados está o Voleisul, que desde o momento de sua formação não recebeu nenhum apoio da prefeitura de Novo Hamburgo, e agora busca acordo com o empresariado para manter a equipe na cidade gaúcha.

“A primeira coisa que o empresariado pensa em um momento de dificuldade é cortar a verba de marketing ou mais diretamente de projetos institucionais. Justamente nos períodos de crise é que se aparece as grandes oportunidades de se fazer melhor com menos, mas a grande maioria não entende desta forma e prefere nem entrar. Estamos há três anos tentando o mínimo de apoio possível e nem o transporte para as crianças do nosso projeto de judô para deficientes visuais eles conseguiram auxiliar, o que dirá apoiar uma equipe de Voleibol. A questão política do esporte em Novo Hamburgo não beneficia projetos como o nosso, infelizmente. Estamos sobrevivendo através do apoio do Estado pelo programa Pro-Esporte da Secretaria do Turismo Esporte e Lazer e de algumas empresas que acreditam no projeto, mas apoio do município nunca tivemos”, declarou o diretor-executivo da Voleisul, Tiago Peter Hoefelmann.

Curiosamente, Novo Hamburgo foi a primeira cidade com uma equipe campeã quando a Confederação Brasileira de Vôlei resolveu criar a Superliga. A Frangosul/Ginástica fez a cidade do Vale dos Sinos apareceu para o Brasil inteiro com o título da temporada 1994/1995, com um time que tinha entre outros jogadores o oposto Gilson ‘Mão de Pilão’, o levantador Paulo Roese e o central Carlão. Atualmente, alguns personagens daquela conquista fazem parte direta ou indiretamente do projeto do Voleisul.

“Lançamos nosso projeto em 2013 com a presença de secretário de Estado e outras autoridades, organizamos um torneio internacional na Sociedade Ginástica de Novo Hamburgo, já participamos de três Superligas (duas na elite), campeonatos Estaduais e nosso prefeito nunca compareceu, no máximo enviou algum secretário representando a prefeitura. Para não ser injusto, ele foi em uma partida da Superliga na temporada passada. Apesar de tudo, continuamos tentando viabilizar a continuidade da melhor forma possível”, desabafou o dirigente.

No momento, a diretoria do Voleisul estuda algumas propostas para manter o projeto. Muito se fala da possibilidade do projeto deixar o município gaúcho e ir para Maringá, onde Ricardo (levantador e presidente da equipe paranaense) já teria orçamento fechado para a próxima temporada. Entretanto, o que se percebe é que existe um trabalho bem feito no projeto e encerrá-lo não é uma das opções.

“Recebemos diversas sondagens e Maringá foi uma delas através do Ricardinho. Estamos avaliando internamente todas opções para a próxima temporada. Assim que definirmos o melhor caminho estaremos informando, mas nossa vontade é continuar proporcionando jogos em Novo Hamburgo para a comunidade do Vale dos Sinos que é apaixonada por voleibol”, concluiu Tiago Peter Hoefelmann.

foto: Voleisul/Paquetá Esportes/Divulgação

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpem o erro de digitação. Espero que o projeto NÃO acabe.

      Excluir
    2. Em ano olímpico, nossos dirigentes e empresários precisam enxergar toda a extensão de benefícios que o esporte traz. Sucesso Voleisul.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Robinho acerta ida para o voleibol português e jogará no novo time do Sporting

Sem apoio e problemas de estrutura, Rádio Clube/AVP decide fechar as portas

Apresentação do Corinthians/Guarulhos deve ocorrer na próxima terça-feira