segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Com vários clubes inscritos, Superliga B pode perder seu objetivo

Como explicamos, o Espaço do Editor foi criado para trazer a público questionamentos que podem melhorar o voleibol. Nosso primeiro texto será sobre a Superliga B, competição que nasceu com a intenção de valorizar projetos interessantes que em quadra e por mérito poderiam ter condições de ingressar na elite nacional.

Ao que tudo indica, a próxima Superliga B, que deve iniciar no dia 5 de janeiro, terá mais clubes (13 no total) do que nas edições anteriores (8). A Confederação Brasileira de Vôlei colocou como datas finais de inscrição, o dia 30 de setembro (para clubes que estavam na disputa em 2015) e o dia 23 de outubro (para equipes interessadas em ingressar pela primeira vez na competição).

As equipes com direito automático a vaga (times participantes da Superliga B em 2015, classificadas entre a 2ª e 8ª colocação, além dos clubes que ficaram em 11º e 12º lugares na Superliga 2014/2015) acabam vendo novos integrantes surgirem sem ao menos terem disputado a Liga Nacional, que garante ao seu campeão uma vaga na próxima Superliga B, ou até mesmo seus campeonatos estaduais.

O Espaço do Vôlei não é contra a valorização da Superliga B e da presença de novas equipes no cenário nacional, porém não podemos esquecer da meritocracia, da importância de valorizar quem ganhou o direito em quadra. Atualmente, a competição já está consolidada, mas abrir várias vagas por convites pode acabar diminuindo a qualidade técnica do torneio e prejudicando algo já construído pela própria CBV.

Equipes que se destacaram em edições anteriores, como Canoas, São José dos Campos e Bento Vôlei, consolidaram seus projetos e hoje fazem parte da elite, Claro que existem clubes sérios que ganharam convites, porém imaginem o caso do time de Uberlândia, que fez um grande esforço para vencer a Liga Nacional e depois de suar a camisa para garantir parceiros e patrocinadores, viu que não era necessário encarar a competição Sub-23 para estar na Superliga B.

Na próxima quarta-feira ocorre na sede da CBV uma reunião definitiva com os clubes participantes sobre o regulamento da próxima Superliga B. Algumas perguntas ficam no ar: A CBV está certa em abrir para mais clubes ou é injusto com quem já tem vaga? Quais são os critérios para os convites? Dê sua opinião também aqui no Espaço do Vôlei.

foto: Divulgação

2 comentários:

  1. Parabéns pela matéria. Os 13 times jogando a Superliga seria uma boa por ter mais disputas, mas o contra é que nem todos os times tem o recurso de ter essa quantidade de jogos, se a CBV desse ao menos hospedagem e alimentação com dá a Superliga A , seria muito boa a ideia.

    ResponderExcluir
  2. Acredito que seja benéfica a participação de mais equipes, se possível clubes que já atuem no futebol para aumentar a visibilidade da competição e consequentemente patrocínio. Patrocínio este que garantirá o desenvolvimento do esporte, claro que qualquer nova inclusão deve ser muito bem estudada pois gera desconforto e perde-se a motivação de disputar a liga nacional.

    ResponderExcluir