quinta-feira, 15 de outubro de 2015

(Paulista) Por vaga na semifinal, Brasil Kirin encara São Bernardo

Nesta quinta-feira, às 19h30min, o Brasil Kirin recebe o São Bernardo, no ginásio do Taquaral, pelo segundo jogo das quartas de final do Campeonato Paulista – Divisão Especial. Por ter vencido o primeiro jogo no ginásio Adib Moyses Dib, o time de Campinas precisa apenas de uma vitória para garantir um lugar nas semifinais, enquanto a equipe do ABC precisa vencer o duelo para forçar o golden set.

No primeiro confronto, os comandados do técnico Alexandre Stanzioni venceram por 3 a 0, fora de casa, e estão com um pé na próxima fase. Para garantir a vaga, o comandante do Brasil Kirin conta com o romeno Bogdan Olteanu, que depois de atuar duas partidas com a camisa do time campineiro, fará sua estreia diante da torcida no ginásio Taquaral.

“Estou bastante ansioso. Em dois meses e meio de Vôlei Brasil Kirin, apenas assisti o time atuar no Taquaral e vi que a atmosfera é muito boa. Fui criando esta expectativa de poder retribuir este carinho que recebi desde que cheguei. Por isto, não vejo a hora de entrar em quadra (...) Sabemos que não vai ser fácil. No primeiro jogo, entramos concentrados e conquistamos nosso objetivo, que era fazer uma boa partida e sair com a vitória. Nesta quarta-feira não será diferente. Temos que estar ligados e agressivos, pois ainda temos a responsabilidade de vencer para garantir a classificação”, afirmou Olteanu.

“A ideia é manter o padrão, propor o jogo, assim como fizemos no confronto de ida, e seguir ganhando corpo pensando no objetivo maior que é o título”, disse o treinador Alexandre Stanzioni.

Franco atirador com responsabilidade. Essa é a estratégia que o São Bernardo quer colocar em pratica diante do Brasil Kirin para o jogo de volta do playoff. Precisando ganhar a partida para forçar o golden set, o time do ABC vai arriscar no saque para quebrar o passe adversário e conseguir ter certa vantagem ao longo do confronto.

“Vamos para cima. Aqui no primeiro jogo erramos muito saque, mas era uma ordem minha (forçar o saque), tínhamos que arriscar. Somos franco atiradores, os favoritos são eles (...) Temos que nos aproveitar disso (ser franco atiradores) e saber valer essa condição que é qual? Jogar solto, se divertir, jogar um voleibol-moleque, largar, explorar, se divertir com responsabilidade, não é fazer as coisas de qualquer jeito”, declarou o técnico Douglas Chiarotti.

foto: Gabriel Inamine

Nenhum comentário:

Postar um comentário