domingo, 19 de julho de 2015

(Liga Mundial) França supera Sérvia no Maracanãzinho e conquista título inédito

Na decisão da Liga Mundial 2015, no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, a França, que entrou na fase final vinda da segunda divisão, derrotou a Sérvia por 3 sets a 0, parciais de 25/19, 25/21 e 25/23, conquistando um título inédito. A equipe dirigida pelo técnico Laurent Tillie contou com grande atuação do craque Earvin Ngapeth, que marcou 16 pontos e com Rouzier, que teve 17 acertos.

A França começou a partida com ritmo forte e, ao abrir 3 a 0, a Sérvia pediu tempo. Na volta, os franceses mantiveram a boa atuação e ainda fizeram 5 a 0. Demonstrando bom poder de reação, os sérvios chegaram ao empate em 7 a 7. Os franceses não deram facilidade ao adversário e colocaram cinco de vantagem (16 a 11). O time da França seguiu melhor e fechou o primeiro set em 25 a 19.

A Sérvia conseguiu ponto de saque e fez 4 a 2. A França, no entanto, virou o placar e, no primeiro tempo técnico, tinha um de vantagem (8 a 7). O set ganhou ainda mais equilíbrio em 11 a 11. Com ponto de bloqueio, a Sérvia encostou no marcador em 17/16, porém a França voltou a abrir vantagem (21 a 18). Com um erro de saque de Okolic, da Sérvia, os franceses chegaram à vitória no segundo set por 25 a 21.

O terceiro set começou equilibrado, com a Sérvia se mantendo à frente no marcador (5 a 4) e chegando em vantagem ao primeiro tempo técnico (8 a 6). A França empatou em 10 a 10, mas a Sérvia voltou a comandar o placar em 13 a 11. Os franceses, então, fizeram 16 a 14 e os sérvios empataram (16 a 16). A equipe da Sérvia voltou a pontuar bem e, no saque, chegou a 20 a 17. E, mais uma vez, a França buscou: 22 a 22. Com ace, os franceses fizeram 24 a 23 e, na sequência, 25 a 23.

A medalha de bronze ficou com os Estados Unidos que venceram a Polônia por 3 sets a 0, parciais de 25/22, 25/23 e 25/23. Na seleção desta edição da Liga Mundial nenhum brasileiro esteve presente e o destaque ficou com o time campeão, que teve Ngapeth (melhor ponteiro e MVP) e Toniutti (melhor levantador). No mais, a Polônia levou os prêmios individuais com Kubiak (segundo melhor ponteiro) e Zatorski (líbero), a Sérvia com Lisinac (segundo melhor central) e Atanasijevic (melhor oposto) e os Estados Unidos teve Holt (melhor central).

Fora de quadra, a Olympikus, parceira da Confederação Brasileira de Vôlei há 18 anos, fez uma ação bastante bacana ao presentear 40 torcedores que comparecerem às finais da Liga Mundial neste final de semana. Mesmo sem o Brasil em quadra, os animadores da marca esportiva sortearam entre os espectadores camisas oficiais do time verde e amarelo durante os intervalos das partidas. 

foto: FIVB/Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário