Ignorância de alguns segue atormentando o voleibol brasileiro

O Espaço do Vôlei trata exclusivamente do voleibol masculino de alto rendimento, mas devido ao ocorrido na última terça-feira na Arena JK, em Belo Horizonte, o blog faz questão de se manifestar. Durante a partida envolvendo Minas Tênis Clube e Sesi-SP, a central Fabiana, do clube paulista, ouviu insultos racistas e mesmo com o incidente seguiu em quadra.

Em determinado momento do jogo, a capitã da Seleção Brasileira ouviu expressões como "macaca quer banana" e "macaca joga banana" vindas da arquibancada e sendo proferidas por um senhor. De acordo com a jogadora, seguranças do Minas Tênis Clube retiraram a pessoa do ginásio, algo que deve ser enaltecido, porém não podemos esquecer que se trata de uma pessoa ignorante e que pode voltar novamente.

“Eu não preciso ser respeitada por ser bicampeã olímpica ou por títulos que conquistei, isso é besteira! Eu exijo respeito por ser Fabiana Marcelino Claudino, cidadã, um ser humano”, escreveu Fabiana através das redes sociais.

Através de seu site oficial, o Minas Tênis Clube lamentou e repudiou o ato de racismo ocorrido em suas dependências. De acordo com uma nota oficial, o clube afirmou que tomou as medidas cabíveis como a retirada do agressor do ginásio e o acionamento da Polícia Militar. Vale lembrar que em 2012, no mesmo ginásio, o oposto Wallace, do Sada/Cruzeiro, foi hostilizado por uma mulher e uma forte campanha foi feita para que novos casos não ocorressem.

A atitude de retirar a pessoa do ginásio e entregá-la a Polícia é um dos primeiros passos, porém para evitar mais casos de racismo o importante é conscientizar todos desde crianças, quando estão na escola. Infelizmente, algumas pessoas não são capazes de entender o quanto uma palavra pode machucar mais que uma agressão, porém para esse tipo de individuo nada melhor que a exclusão, pois se for repudiado não terá mais motivação para fazê-lo em público. 

foto: Sesi-SP/Divulgação

Comentários

Postar um comentário