CBV ‘esquece’ Liga Nacional e prejudica clubes formadores

Considerada a mais tradicional competição do voleibol brasileiro, a Liga Nacional não será realizada em 2014. Sem maiores explicações, a Confederação Brasileira de Vôlei simplesmente ‘esqueceu’ o torneio, que já deu vaga direta para a Superliga e garantia a possibilidade de clubes sem grandes investimentos deixarem as fronteiras de seus Estados.

Clubes tradicionais como Vitória, da Bahia, Botafogo, do Rio de Janeiro, Uberlândia, de Minas Gerais, e Upis, do Distrito Federal, estiveram presentes em várias edições, e sem grande aportes de patrocinadores tinham na Liga Nacional um torneio para revelar atletas e manter seus projetos ativos. Na edição de 2013, a CBV chegou a ser disputada como Sub-23, algo que deixou a competição ainda mais equilibrada e serviu como teste para clubes seguirem para a Superliga B, como o caso do campeão ACBD/Rio Claro.

“Uma fase final da Liga Nacional custaria em torno de R$ 60 mil (alimentação e hospedagem), sem custo de transporte (patrocínio da Gol). Será que esse valor faria tanta falta assim à CBV? E se fosse disputada em Saquarema, onde praticamente não haveria custo de hospedagem esse valor cairia para menos da metade (...) Essa situação é um retrocesso para o Vitória e outras equipes que vinham em evolução e deixaram de ter seus nomes divulgados no cenário nacional, dificultando ainda mais a captação de patrocínio”, declarou o coordenador técnico do Vitória, Marcio Xavier.

Assim como o dirigente do time baiano, vários representantes de equipes do país reclamam da falta de incentivo da CBV para clubes formadores e que não tem um patrocinador para bancar as exigências impostas pela entidade para ingressar em uma Superliga A ou B. Vale destacar que além da Liga Nacional, a Supercopa BB (torneio criado no ano passado) também foi extinto em 2014, deixando uma lacuna gigantesca no voleibol brasileiro.

A saída de diversos jogadores para o exterior e o encerramento das atividades de alguns clubes (RJ Vôlei e Volta Redonda) só mostram a fragilidade que existe atualmente no vôlei do Brasil. Caso a CBV não esteja disposta a conversar com todas as equipes (e não apenas aquelas que integram a elite), a modalidade pode sofrer muito em um futuro próximo. Além disso, a falta de união entre as equipes é algo preocupante, já que hoje em dia a Confederação segue utilizando antigos moldes onde quem obedece é aceito e quem sai da linha perde em algum momento.

foto: Divulgação

Comentários

  1. Primeiro gostaria de agradecer pela informação, pois estou a dois meses buscando informação no site da CBV sobre esse torneio e não tem nada.
    Segundo: CBV vc é uma vergonha gigantesca, pior que FIFA OU CBF.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Saída de Leal para o Civitanova faz Sada/Cruzeiro aquecer mercado internacional

Fabiano Magoo convoca jogadores para a Seleção Brasileira Sub-19

Apan/Blumenau contrata Thiago Alves e confirma sete renovações