(Mundial) Com apoio da torcida, Polônia evita tetra brasileiro

Com a Spodek Arena, na cidade de Katowice, completamente lotada, a Polônia venceu, de virada, o Brasil, por 3 sets a 1, parciais de 18/25, 25/22, 25/23 e 25/22, conquistando assim o Campeonato Mundial. As duas equipes chegaram a decisão com campanhas parecidas (perderam apenas um jogo), porém depois de um começo arrasador, o time verde e amarelo não conseguiu manter o ritmo, vendo o levantador Zagumny entrar em quadra e mudar o panorama do jogo para os donos da casa, principalmente com os ataques de Mika.

Sidão abriu o placar do jogo. O placar seguiu equilibrado. No bloqueio, o Brasil colocou dois de vantagem: 5 a 3. Com dois pontos consecutivos de Lucarelli, a seleção brasileira ainda fez 8 a 4. Na volta do tempo técnico, o Brasil bloqueou e aumentou a diferença no marcador para 9 a 4. A equipe de Bernardinho chegou a cinco em 13 a 8. A Polônia marcou dois pontos seguidos e o Brasil pediu tempo. No bloqueio de Lucão, 16 a 11 para a equipe verde e amarela. Com mais dois pontos seguidos neste fundamento, a seleção brasileira chegou a 18 a 11 e os poloneses pediram tempo. Mas o Brasil seguiu no domínio do set e chegou a 23 a 16. No final, melhor para a seleção brasileira: 25 a 18.

A seleção polonesa começou melhor o segundo set e fez 2 a 0. Na sequência, o time da casa chegou a três de vantagem em 4 a 1. No bloqueio de Murilo, o Brasil encostou: 6 a 5. E, com Lucarelli, a equipe verde e amarela chegou ao empate em sete pontos. A Polônia, então, voltou a abrir e, quando fez 10 a 7, Bernardinho parou o jogo. Os donos da casa ainda marcaram mais um e aumentaram a diferença. A Polônia manteve o bom momento e chegou a 14 a 9. A vantagem da casa chegou a seis pontos em 17 a 11. O Brasil reagiu, em boa passagem de Bruno pelo saque fez três pontos seguidos (17 a 14), e foi a vez da Polônia pedir tempo. Na volta, no ponto de saque do levantador, 17 a 15. E, com bloqueio de Lucão, 17 a 16. Mais um tempo dos poloneses. Após grande reação, e ainda com Bruninho no saque, o time brasileiro chegou ao empate em 17 pontos. O placar esteve igual novamente em 19 a 19. Mas a seleção da casa voltou a assumir o comando do set e fez 22 a 20. Na sequência, a Polônia fechou em 25 a 22.

O início da terceira parcial foi de equilíbrio, com as equipes empatadas em 3 a 3 e, depois em 6 a 6. A Polônia teve vantagem no primeiro tempo técnico: 8 a 7. Com Wallace pela saída de rede, o Brasil chegou a mais um empate (11 a 11). O set seguiu bem disputado e igual para as duas equipes. Um novo empate em 16 pontos mostrava o equilíbrio do jogo. Quando os poloneses abriram dois de vantagem (18 a 16), o Brasil pediu tempo. A equipe brasileira, então, reagiu e deixou tudo igual mais uma vez: 19 a 19. Mas a seleção da casa voltou a abrir vantagem (21 a 19) e Bernardinho parou o jogo. A reta final do set foi bastante disputada e, no erro do adversário, o Brasil chegou a um novo empate: 23 a 23. Mas a Polônia fechou em 25 a 23.

A seleção brasileira esteve a frente logo no começo do set (2 a 1). Depois, mantendo o ritmo do jogo, as equipes empataram em 5 a 5. O Brasil assumiu o comando do marcador em 7 a 6. Mas a Polônia voltou a pontuar e fez 10 a 9. No ponto direto de saque, chegou a 11 a 9. Depois de bom saque de Wallace, a seleção brasileira fez 12 a 12. Embalado pela torcida, o time da casa voltou a colocar dois de vantagem em 15 a 13, mas, mesmo assim, o Brasil conseguiu deixar tudo igual novamente (15 a 15). No bloqueio, a equipe verde e amarela passou a frente: 17 a 16. Com Lucão no bloqueio, a seleção brasileira fez 19 a 17 e forçou a Polônia a pedir tempo. Em boa sequência de Lipe no saque, o Brasil chegou a 20 a 17. Mas a Polônia passou a frente em 22 a 21. No final, vitória por 25 a 22.

“Sabemos que a prata é um grande resultado, mas perder em uma final é difícil. Isso incomoda a todos nós. Temos jogado bem, mantido um padrão de jogo, porém precisamos ver o que está faltando nos momentos decisivos. Hoje, perdemos na bola. O time da Polônia foi melhor. De qualquer forma, temos que destacar que estamos no caminho certo”, analisou o levantador Bruninho.

Isso serve de lição. Temos os Jogos Olímpicos como objetivo maior e temos que pensar lá na frente. Fizemos o nosso melhor. Conseguimos pressionar o adversário no primeiro set, mas eles estão de parabéns. Eles jogaram melhor. Trabalhamos muito duro, crescemos muito nesta temporada e vamos pensar daqui para frente”, disse o central Sidão.

“Faltou alguma coisa que precisamos pensar muito o que é. Esse é um processo de construção e vamos trabalhar cada vez mais. Temos dois anos até os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e continuamos na luta. Somos uma equipe competitiva e, certamente, o que está faltando vai ser ponto de questionamento para todos nós”, disse o técnico Bernardinho.

Além da medalha de prata, a Seleção Brasileira, que venceu o Mundial em 2002, 2006 e 2010, ainda colocou dois jogadores na seleção do campeonato, no caso, os ponteiros Murilo e Lucarelli. Já os poloneses tiveram o central Klos e o oposto Wlazly, que ainda ganhou o prêmio de MVP. Completaram o time os alemães Böhme (central) e Kampa (levantador), além do líbero francês Grebennikov.

Equipes:

Brasil: Bruninho, Wallace, Lucão, Sidão, Lucarelli, Murilo e Mário Jr. (líbero)
entraram: Felipe, Lipe, Leandro Vissotto e Raphael
Técnico: Bernardinho

Polônia: Nowakowski, Winiarski, Klos, Wlazly, Drzyzga, Mika e Zatorski (líbero)
entraram: Konarski, Zagumny e Kubiak
Técnico: Stephane Antiga

foto: FIVB/Divulgação

Comentários

  1. Não entendo porque o Lucão, um dos melhores sacadores da seleção, não forçou nenhuma vez seu saque. Bruninho só sacou forte no 1ºset, depois apenas o saque "tático", o saque do Murilo estava mais para um levantamento ao time adversário. Wallace não forçou nenhum saque.
    Vai entender....??!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário