Aos 39 anos, Joel deixa as quadras com muita história para contar

Com 39 anos, o oposto Joel foi o jogador mais velho em atividade na Superliga 2013/2014. O São Bernardo foi eliminado nas quartas de final e, junto com ele, no dia 14 de março, a carreira de 27 anos no vôlei chegou ao fim. A última temporada foi de contribuição maior extra quadra do que propriamente na bola, e deixa boas lembranças. O dia a dia ao lado de um grupo jovem deu motivação e uma vivência inesperada ao experiente jogador.

“Houve uma troca muito interessante nessas duas temporadas em São Bernardo. Os garotos têm muita energia e disposição, coisas que nós, depois de muitos anos de vôlei, não temos mais da mesma forma. Isso é natural. Eles me passavam bastante do que podiam e, em troca, eu oferecia a minha experiência, toda a vivência que acumulei no esporte”, contou Joel;

A experiência acumulada desde que saiu de Bebedouro, sua cidade natal no interior paulista, até os dias de hoje, depois de tantos anos foi enorme. Dentro de quadra, Joel teve diversas e diferentes conquistas, todas consideradas de grande importância, mas o oposto garante que um aprendizado, fora das quatro linhas, foi ainda maior.

“Na minha opinião, 70% do necessário para ser bem sucedido hoje em dia é fazer uma boa gestão de pessoas. E em um esporte coletivo, especialmente no vôlei, onde a bola tem que ser mantida no ar por diferentes pessoas da sua equipe, saber depender das pessoas é fundamental. Acho que é isso que levo de mais importante do esporte onde vivi tantos anos para o resto da minha vida, já que é algo cada vez mais difícil”, disse o jogador.

Para sempre na vida de Joel também estará o ano 2000. Após uma atuação brilhante no pré-olímpico, que levou a seleção brasileira aos Jogos Olímpicos de Sidney/2000, o oposto foi cortado e não esteve presente ao campeonato mais importante do calendário esportivo. Mas isso não foi motivo para lamentações.

“Fiz um pré-olímpico muito bom, foi o meu ponto alto na seleção e o corte me fez sair do Brasil. Não sou de reclamar das situações. Pelo contrário. Busco tirar os pontos positivos de cada ocasião. Mas, depois que fui cortado, não quis ficar no Brasil. E sair foi muito positivo para mim e para a minha carreira. Passei 12 anos fora e evoluí demais nesse período”, lembrou Joel, que atuou na Itália, Japão, Grécia, Argentina e Bahrein.

foto: Divulgação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Saída de Leal para o Civitanova faz Sada/Cruzeiro aquecer mercado internacional

Fabiano Magoo convoca jogadores para a Seleção Brasileira Sub-19

Apan/Blumenau contrata Thiago Alves e confirma sete renovações