(Copa dos Campeões) Brasil vence Itália e fatura tetracampeonato

A Seleção Brasileira conquistou, neste domingo, a Copa dos Campeões, após vencer a Itália por 3 sets a 2, parciais de 25/22, 25/22, 23/25, 20/25 e 15/11, em Tóquio. Com o resultado, a equipe verde e amarela chegou aos 12 pontos (quatro vitórias e uma derrota), ficando a frente da Rússia, que somou 11 pontos. Essa foi a quarta conquista do Brasil, que já havia vencido a competição em 1997, 2005 e 2009.

A Itália abriu o placar do jogo. No bloqueio, o Brasil chegou ao empate em 2 a 2. A vantagem virou italiana no primeiro tempo técnico: 8 a 6. O central Lucão bloqueou e deixou tudo igual (10 a 10). No ace do ponteiro Lucarelli, a seleção assumiu o comando do placar em 12 a 11. O marcador seguiu equilibrado com vantagem de apenas um ponto para os brasileiros no segundo tempo técnico: 16 a 15. Com ponto de saque de Wallace, a equipe verde e amarela chegou a 18 a 16 e o técnico da Itália pediu tempo. Com mais um ace de Lucão, o Brasil fez 21 a 18. No erro de saque da Itália, o Brasil fez 23 a 20, e, na sequência, fechou o set em 25 a 22.

A seleção italiana saiu na frente, mas Lucarelli colocou o Brasil no comando do placar: 2 a 1. Depois de grande jogada, o central Lucão pontuou e a seleção brasileira fez 6 a 3. A seleção brasileira esteve em vantagem no primeiro tempo técnico: 8 a 5. Sidão parou o ataque italiano no bloqueio e o Brasil fez 11 a 6. Depois conseguiu mais um ponto de bloqueio, dessa vez com Lucão, e o placar foi a 18 a 10. A Itália diminuiu a diferença para 18 a 13 e Bernardinho pediu tempo. Os brasileiros voltaram a pontuar e, com Evandro, fizeram 21 a 15. Melhor em quadra, o time verde e amarelo fechou em 25 a 22.

O Brasil saiu na frente e fez 2 a 0 no início do terceiro set. Com o central Lucão, equipe brasileira abriu três de vantagem: 6 a 3. Mas a Itália buscou e virou o placar em 7 a 6. No lance seguinte, a equipe adversária pontuou novamente e foi para o primeiro tempo técnico vencendo por 8 a 6. A vantagem seguiu com a Itália, mas, com Wallace, o Brasil deixou tudo igual: 14 a 14. A parcial seguiu equilibrada e as equipes empataram de novo em 18 a 18. No ponto de saque do levantador Raphael, o Brasil passou a frente. Seleção brasileira abriu dois de vantagem na reta final do set: 22 a 20. Os italianos empataram em 22 pontos e Bernardinho pediu tempo. Mas o adversário seguiu melhor e fez 25 a 23.

Wallace abriu o placar do quarto set a favor do Brasil. A equipe verde e amarela ainda fez 3 a 1, mas os italianos chegaram ao empate em 3 a 3. A Itália assumiu de vez o comando do placar e chegou a fazer 9 a 6. Depois, ainda abriu quatro de vantagem em 11/7. O Brasil diminuiu a diferença para dois (12 a 10), mas a equipe italiana voltou a aumentar em 16 a 13. Quando o placar foi para 18 a 14, Bernardinho parou o jogo. No ace de Lipe, Brasil se aproximou e fez 20 a 17. Mas os italianos seguirem firmes e fecharam em 25 a 20.

Lucarelli pontuou e o Brasil saiu na frente no tie break. Em grande passagem de Wallace pelo saque, e com o bloqueio funcionado bem, o Brasil chegou a 7 a 2. Na virada de quadra, a equipe verde e amarela vencia pelo dobro de pontos: 8 a 4. Os italianos encostaram (9 a 8) e Bernardinho pediu tempo. Mas, no bloqueio do central Éder, a equipe brasileira voltou a abrir três de vantagem: 12 a 9. Depois, com garra e demonstrando muita vontade de vencer, o Brasil fechou em 15 a 11.

“Conseguimos jogar com inteligência, paciência e acredito que o nosso grupo amadureceu muito nesse campeonato passando por situações difíceis. Soubemos construir a competição. Por ser por pontos corridos, não demos mole e conseguimos fazer bons jogos. Os jogadores que estão chegando tinham que sentir o gostinho de ser campeão com a camisa do Brasil em uma competição fora do nosso continente. Temos que comemorar mesmo, mas logo botar a cabeça no lugar e saber que ainda temos muito o que evoluir. Temos, por exemplo, que ser um pouco mais decisivos em alguns momentos”, opinou o central Lucão.

“Como o grupo iria sobreviver depois da derrota de ontem (contra a Rússia, por 3 sets a 2) era muito importante. Um jogo como aquele nos consome física e emocionalmente. Voltar à quadra hoje e jogar um bom voleibol, mesmo que ainda com emoções, saber resistir a tudo aquilo e vencer uma partida é algo que há de ser louvado. A equipe foi um time, os jogadores que entraram deram conta do recado, como o Lipe e o Eder, e todos colaboraram no projeto”, disse o técnico Bernardinho.

Equipes:

Brasil: Bruno, Wallace, Sidão, Lucão, Lucarelli, Maurício Borges e Mário Jr. (líbero)
entraram: Raphael, Evandro, Lipe e Éder
Técnico: Bernardinho

Itália: Beretta, Kovar, Zaytsev, Lanza, Travica, Birarelli e Rossin (líbero)
entraram: Vettori, Baranowicz, Dolfo e Sabbi
Técnico: Mauro Berruto

foto: FIVB/Divulgação

Comentários