(Superliga) Em jogo emocionante, RJX vence Vivo/Minas no tie-break e abre 1 a 0 na serie

No primeiro duelo pelas semifinais da Superliga 2012/2013, RJX e Vivo/Minas fizeram um grande jogo no ginásio do Maracanãzinho, que terminou com vitória da equipe carioca por 3 sets a 2, parciais de 25/23, 21/25, 19/25, 25/22 e 15/13. Com o resultado, o time do Rio de Janeiro abriu 1 a 0 na série melhor de três partidas e caso vença o jogo do próximo sábado, dia 30, às 21h30min, na Arena, em Belo Horizonte, fica com a vaga na decisão. Já os mineiros precisam vencer em casa para forçar um terceiro duelo, novamente na capital fluminense. 

O ponteiro Dante abriu o placar da partida com um ataque na entrada de rede. Lucarelli, respondeu e empatou. Quando o ponteiro da equipe mineira pontuou de novo, desta vez no saque, o Vivo/Minas fez 4 a 3. As equipes passaram a trocar pontos até que, no contra-ataque do tcheco Filip aplicou 9 a 7. O levantador Bruninho bloqueou e o RJX empatou em nove pontos. A parcial seguiu equilibrada e, no ace de Filip, a equipe de Belo Horizonte colocou dois de vantagem novamente: 16 a 14. Contando com erros do adversário, os visitantes fizeram 20 a 15. Os donos da casa reduziram a diferença para 21 a 19 e o técnico Horacio Dileo, pediu tempo. Em boa passagem do central Lucão no saque, o ponteiro Thiago Alves empatou em 23 a 23 e no final fechou por 25 a 23. 

O Vivo/Minas também esteve no comando do placar no início da segunda parcial: 4 a 3. O RJX assumiu o comando do marcador, mas no ace do central Henrique os visitantes deixaram tudo igual novamente (9 a 9). Mas o time mineiro fez 14 a 11 e forçou o técnico Marcelo Fronckowiak a pedir tempo. O RJX buscou o placar, melhorou o aproveitamento e empatou em 17 a 17. Em uma largadinha de Lucão, a equipe carioca passou a frente: 18 a 17. Mas o comando do placar continuou a alternar e os mineiros fizeram 20 a 18. O time de Belo Horizonte, desta vez, não vacilou e fechou em 25 a 21. 

O levantador Marcelinho fez ace e levou o Vivo/Minas a abrir 3 a 1 logo no começo do terceiro set. O central Riad apareceu bem no bloqueio e deixou o set empatado: 5 a 5. Lucarelli manteve o bom desempenho que apresentou ao longo da Superliga e, com bom aproveitamento do central Maurício, os visitantes chegaram a ter cinco de vantagem em 12 a 7. Em um bonito lance, com defesa do levantador Marcelinho e levantamento do líbero Lukinha, o time mineiro fez 15 a 10. A vantagem do time de Belo Horizonte caiu para dois pontos (17 a 15). Mais uma jogada de grandes defesas terminou com o bloqueio de Henrique e no final, vitória por 25 a 19. 

Tendo que buscar a vitória no set, o RJX começou com ritmo forte e fez 4 a 1. O Vivo/Minas se aproximou, mas, com dois bloqueios consecutivos de Lucão, o time da casa fez 7 a 4. O central também foi bem no saque e, no ace, fez 10 a 5 a favor do time do Rio de Janeiro. Thiago Alves não desperdiçou uma bola fácil e marcou mais um: 11 a 5. Com o oposto Da Silva eficiente no ataque, a equipe da casa seguiu no comando do placar: 15 a 12. A vantagem carioca se manteve em três pontos quando novamente Da Silva atacou e fez 19 a 16. Com Lucão bem no ataque, os donos da casa asseguraram o comando do placar e fecharam por 25 a 22. 

Após muita disputa, o primeiro ponto do último set foi a favor do RJX. Com boas defesas e fortes ataques, a equipe da casa fez 6 a 3 e o técnico Horacio Dileo parou o jogo. Riad bloqueou e o time carioca fez 8 a 5. Os mineiros diminuíram a diferença (9 a 7) e foi a vez de Fronckowiak pedir tempo. No ace do central Henrique, o Vivo/Minas encostou em 9 a 8. No erro dos cariocas, o time de Belo Horizonte empatou: 10 a 10. O placar seguiu equilibrado, com a vantagem de apenas um ponto para a equipe do Rio de Janeiro: 14 a 13. E, após muita disputa, o time da casa fez 15 a 13. 

“Sabíamos que não ia ser fácil. Pela melhor campanha, temos a chance de decidir em casa e hoje confirmamos esse favoritismo aqui no Maracanãzinho. Demos uma oscilada, mas, quando o nosso time concentra ponto a ponto no que tem que fazer, consegue uma boa atuação. E no quarto set voltamos a fazer isso”, disse o ponteiro Thiago Alves. 

“Eles estiveram muito confortáveis na principal característica deles, que é uma recepção muito boa e a bola na mão do Marcelinho. Nós estávamos aquém do que jogamos. Precisávamos equilibrar em alguns fatores técnicos e táticos, mas no fator emocional também. Quando voltamos a jogar com agressividade, e quando colocamos o nosso nível de jogo, conseguimos a virada”, explicou o treinador Marcelo Fronckowiak. 

“Tivemos a chance de fechar o primeiro set, mas o Lucão, no saque, teve méritos de virar o jogo. E não tivemos tranquilidade para administrar e fechar a partida no quarto set. Agora, é contar com o apoio do nosso torcedor em casa, porque ela faz a diferença. Precisamos virar essa série”, comentou o central Henrique. 

“Foram detalhes que decidiram a partida. Mas jogamos contra uma grande equipe, que, além de ótimos jogadores, conta com uma comissão técnica de primeira linha. Os dois times fizeram uma grande partida. Agora, temos dois dias para descansar, para analisar os vídeos e voltar a trabalhar. Ainda estamos vivos”, disse o técnico Horacio Dileo. 

Equipes:

RJX: Bruninho, Theo, Riad, Lucão, Thiago Alves, Dante e Mário Júnior (líbero)
entraram: Guilherme, Da Silva e Ualas
Técnico: Marcelo Fronckowiak

Vivo/Minas: Marcelinho, Filip, Henrique, Maurício, Lucarelli, Quiroga e Lukinha (líbero)
entraram: Evandro e Samuel
Técnico: Horacio Dileo

foto: Alexandre Arruda/CBV

Comentários