Sem patrocínio, UFC/Ceará desiste de disputar a 2ª edição da Superliga B

Quarto lugar na estreia da Superliga B, a UFC/Ceará não estará presente na próxima edição, que deve iniciar em janeiro. Sem conseguir patrocínio, a equipe cearense acabou recusando o convite da Confederação Brasileira de Vôlei, pois teria que bancar em torno de R$ 500 mil para disputar a competição nacional. O técnico Galba Ribeiro tentou ao máximo manter o projeto profissional ativo, mas esbarrou na falta de apoio que ronda, principalmente, o esporte nordestino.

Assim com a UFC/Ceará, outros clubes sofrem com a falta de incentivo tanto público quanto privado. Para complicar, um time nordestino ainda enfrenta a mentalidade de vários empresários locais, que não imaginam sua marca ingressando no mercado nacional. Além disso, o futebol continua chamando mais a atenção, mesmo que poucas pessoas juntem os patrocinadores com os clubes, enquanto no voleibol é algo explicito, o que valoriza a marca.

O projeto da UFC/Ceará era bem pensando e englobava não apenas um time profissional, mas equipes de base e universitária, que futuramente reforçariam o grupo de alto rendimento. Entretanto, um patrocinador ou várias parcerias tirariam isso do papel, pois a Universidade consegue ajudar com uniforme, hospedagem, alimentação (algo já importante), mas não suficiente para manter elenco e comissão técnica.

Com a ausência dos cearenses, o nordestino teria apenas o Sport Recife como representante na 2ª edição da Superliga B. Entretanto, o time pernambucano também sofre na busca por patrocinador e devido a situação complicada da equipe de futebol no Campeonato Brasileiro, um investimento maior no voleibol fica quase impossível.

foto: Will Correia/CBV

Comentários

  1. É um grande absurdo não ter empresas e nem o nosso governo municipal e estadual conseguir verba para que nosso voleibol cearense continue a respirar, pois acabaram de retirar a mascara de nosso esporte que já estava na UTI e claro que nossos treinadores e comissão técnica lutavam para ressuscitar como bons brasileiros que são que nunca desistem, mas desta maneira não tem como realmente acreditar em nossos governantes e empresários é por isso que nossos meninos e meninas desistem cada vez mais cedo de pratica de esporte e vão é mesmo para criminalidade, cadê o senso de cidadania e ser orgulho cearense destes seres que vem em nosso estado se fazem de coronéis e ficam cada vez mais ricos.........

    ResponderExcluir

Postar um comentário