Record tenta tirar Superliga da Globo com oferta de R$ 12 milhões

A ‘guerra declarada’ entre Globo e Record chegou na última semana ao voleibol nacional. A empresa do bispo Edir Macedo teria oferecido cerca de R$ 12 milhões a Confederação Brasileira de Vôlei para transmitir a Superliga 2012/2013, que tem seu início previsto para 20 de outubro. A proposta não balançou a diretoria da entidade, que tem na emissora carioca uma forte aliada de muitos anos.

A Rede Record, que este ano transmitirá com exclusividade para a televisão aberta os Jogos Olímpicos de Londres, tenta a todo custo utilizar o esporte para competir com as novelas globais durante a semana. Entretanto, questões consideradas cruciais para a CBV não estariam na proposta dos paulistas, que chegaram a oferecer transmissão de todas as partidas em diversas plataformas (Record, Record News e no portal R7).

Nos bastidores se fala que a CBV tem serias restrições quanto a qualidade das transmissões feitas pela Record. Os cortes bruscos vistos durante as partidas de vôlei masculino e feminino nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara são alguns exemplos. Além disso, patrocinadores antigos da entidade teriam pressionado pela manutenção da Globo devido a visibilidade maior, independente do número de jogos transmitidos na televisão aberta ou no canal Sportv.

Um dos pontos a favor do torcedor é que o Sportv promete mais espaço para a Superliga 2012/2013, como aconteceu na edição passada. A ausência da Copa Libertadores na grade é algo que facilita a presença do voleibol, além da criação do Sportv 3, que chega para não ser apenas uma reprodução dos eventos dos outros canais, mas sim uma possibilidade de programação própria.

foto: Montagem

Comentários

  1. Se existir a possibilidade da realização de um contrato curto de 1 ano, seria muito interessante para o voleibol e para balançar a Globo, por mais que ela seja uma potência a transmissão é feita como complemento para fechar a grade quando falta FUTEBOL, quando falta show ball dos velhos gordos e pinguços, quando falta futsal, beach soccer, e qualquer outro fut da vida!

    Sou a favor dessa transmissão em massa por diversos meios de comunicação, alias os contratos deveriam ser com menor grana e aberto para mais de uma emissora que a concorrência seja feita na qualidade, etc.

    ResponderExcluir
  2. Sport TV fez um excelente trabalho na transmissão anterior e isso não pode ser desprezado.
    CBV, foge destes lobos da Record.....

    ResponderExcluir
  3. Preferia a Band ou o SBT na transmissão da Superliga, em detrimento da Record e da Globo... Uma promete cumprir os compromissos, será que cumpriria? Outra detém os direitos de transmissão mas não mostra na TV aberta (assim como na Champions League, que quem mostra toda a competição é a Band). Sugestão: mandar e-mails pra Band e pro SBT pedindo a eles que etrem na briga pela transmissão da competição!

    ResponderExcluir
  4. A TV GLOBO TEM OS DIREITOS E NÃO TRANSMITE QUASE NADA.

    ResponderExcluir
  5. a cbv deveria vender os direitos para a rede record ela porque mostraria todas as partidas de vôlei. durante a programação .Enquanto a globo que mantem os direitos só transmite os jogos nas finais . isso seria muito enriquecedor para o telespectador que poderia assistir a competiçao todos os finais de semana e nao uma vez no ano,igual a globo faz todos os anos .

    ResponderExcluir
  6. a tv record deve insistir e pagar mais, pois vale a pena. Ninguém aguenta ver mais violência na tv e o esporte é muito melhor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário