Levantador William admite que quase se naturalizou argentino

Campeão com o Sada/Cruzeiro na última edição da Superliga, o levantador William curte o bom momento que vive na carreira. Além de prêmios individuais pelas atuações no clube mineiro, o jogador chegou a ser lembrado pelo técnico Bernardinho, mas curiosamente por muito pouco ele não acabou vestindo a camisa da seleção argentina, nos tempos que defendia o Drean/Bolivar. 

“Eu fiquei lá por quatro temporadas e o negócio andou, mas na última temporada parou por alguns problemas políticos e apareceu a oportunidade de voltar ao Brasil. Aí pesou o lado da família. Se eu tivesse ficado por lá mais um ano, teria se concretizado (...) O vôlei lá cresceu muito. Vejo que a Argentina será uma das candidatas ao ouro nos Jogos Olímpicos de 2016. Começa pelo treinador, que foi o melhor que vivenciei (Javier Weber). E eles têm uma base forte com jogadores novos. Em 2016, estarão numa idade boa para ganhar títulos”, garantiu William. 

Com o clube argentino, o levantador conquistou 21 títulos em 22 campeonatos disputados e conquistou o apelido de ‘El Mago’. Hoje, aos 32 anos, o jogador vem chamando a atenção também fora de quadra seja criticando arbitragem ou buscando até mesmo a criação de um sindicato para os atletas. 

foto: Cinara Piccolo/VipComm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Apan/Blumenau contrata Thiago Alves e confirma sete renovações

CBV divulga tabela oficial da Superliga B com estreia no dia 24 de janeiro

(Paulista) Sesi-SP estreia contra a Climed/Atibaia nesta quarta-feira