Será que teremos camisa dos clubes para vender na Superliga?

Que o futebol é uma paixão nacional isso não se nega, mas será ele o esporte mais profissional do Brasil? Vendo empresas consolidadas no mercado apostarem no vôlei e garantirem projetos grandiosos, amparados por uma confederação dedicada a engrandecer ainda mais a modalidade, posso garantir que não é no campo que uma marca terá aquele retorno desejado.

Então a partir dessa ideia, quero dedicar esse post aos diretores de marketing dos clubes. Atualmente (esperamos que isso mude), os canais Globo e Sportv não se referem a uma equipe de vôlei por seu nome original e sim pela cidade que pertence. Um exemplo é a Cimed, que desde sua criação, foi chamada de Florianópolis. Entretanto, a marca da empresa farmacêutica aparece em destaque na camisa do jogador, no boné que o atleta usa quando está dando uma entrevista após o jogo e essa imagem vale, muitas vezes, mais do que a palavra do narrador.

Agora, se é importante para a marca ter visibilidade, porque não repassar isso para o torcedor. Na última Superliga, das 15 equipes participantes, apenas sete vendiam camisetas para o torcedor, sendo que poucas através de lojas ou sites. As outras oito não tinham o material nem para comercializar após os jogos. Falta de planejamento? Desinteresse? Descaso com o torcedor? A resposta sobre isso pode estar no custo do material e no valor a ser arrecadado, porém não podemos esquecer que a venda de camisetas não serve para arrecadar dinheiro, e sim para dar mais visibilidade a marca do patrocinador. Veja no caso da Medley, que nos jogos no ginásio Taquaral, tem seu nome estampado na camisa verde-clara de cada pessoa sentada na arquibancada. Vocês acham que se o narrador falar apenas Campinas vai fazer alguma diferença, pois se cada imagem mostrada o nome da empresa estará presente.

Em tempos que os jogadores e os torcedores se mobilizam para a criação do Álbum da Superliga, acredito que, além disso, seria fundamental a venda de camisas dos clubes. Pergunte para alguém em Montes Claros se já não virou um ritual ir ao jogo fardado e se existe alguma critica por levar várias marcas, inclusive da prefeitura, para cada canto que vá vestido a caráter. Agora, imagine a surpresa dos associados do Pinheiros, quando descobriram que no ano passado, com um elenco de Giba, Gustavo e companhia, que não se venderiam camisas. E que uma das poucas chances de consegui-las seria através de sorteios via twitter do clube.

Quero aqui dizer que sei da diferença entre o preço de confeccionar uma peça e do retorno financeiro para o clube. Entretanto, acho impossível que o próprio patrocinador master não queira investir nisso, imaginando ver no ginásio, nas ruas próximas e até mesmo na cidade em dias que não se tem jogos, a sua marca no peito de uma pessoa. Agora, diretorias de marketing, não façam loucuras como os clubes de futebol, que em um país como o nosso coloca preços absurdos em suas camisas oficiais e ainda querem reclamar de pirataria.

Para finalizar, falo sobre publicidade, e no vôlei posso citar o ‘case’ do Vôlei Futuro, que não começou agora como alguns podem pensar. O clube de Araçatuba vem aos poucos crescendo, amadurecendo ideias, juntando o lado social e o profissional, porém sem nunca esquecer da importância do trabalho de marca. Com resultados expressivos, com apoio da comunidade e boa administração, o clube é destaque com um site online próprio onde vende além de camisas, vários acessórios de suas equipes para todo o território brasileiro. Um exemplo que poderia ser seguido por todos e até mesmo pela CBV, que poderia na sua loja online destinar um espaço para os clubes da próxima Superliga.

Para quem acompanha esse blog, faça seu comentário, discuta a questão e pergunte.  Você compraria a camisa do clube que admira no vôlei?

foto: Divulgação

Comentários

  1. Bacana a iniciativa,

    Sem dúvidas essa questão de marketing ainda é mal trabalhada no vôlei. Hoje o que vemos é uma relação de dependencia dos patrocinadores e nã de parceria em estratégias de marketing.

    Sobre as camisas, em Montes Claros é difícil sair na rua e não se deparar com uma camisa estampada BMG / Coteminas ou o antigo patrocionador o Bonsucesso.

    ResponderExcluir
  2. É verdade, os coordenadores das equipes deveriam divulgar muito mais suas respectivas. Camisetas da equipe é uma boa iniciativa.

    ResponderExcluir
  3. Galera, a cimedsky já tem camisas disponíveis aqui em Floripa!

    ResponderExcluir
  4. Quem quiser comprar uma réplica da camiseta da Cimed/Sky (branca ou vermelha) pode mandar nome completo e endereço para "renatojr06@hotmail.com" colocando no assunto camiseta Cimed/Sky. O endereço deve ser completo para envio da camiseta.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Fabiano Magoo convoca jogadores para a Seleção Brasileira Sub-19

Apan/Blumenau contrata Thiago Alves e confirma sete renovações

CBV divulga tabela oficial da Superliga B com estreia no dia 24 de janeiro