Possível mudança na Superliga faz clubes se mobilizarem

Ainda não é oficial, mas a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) pretende colocar em prática na próxima temporada uma remodelação na Superliga. A princípio a edição 2011/2012 teria 12 participantes, em vez de 15, e existiria uma espécie de divisão de acesso com pelo menos oito clubes. O motivo da mudança seria para deixar a competição mais enxuta e sem tanto desnível técnico entre os times.

Com duas ligas, a entidade que cuida do voleibol nacional espera que novos patrocinadores sejam atraídos para a divisão de acesso, pois atualmente para ingressar na Superliga é necessário um bom investimento. No caso da Série B, um parceiro pode entrar no projeto e a longo prazo aumentar o capital visando a presença na elite brasileira. O certo é que a CBV tem o respaldo do Canal Sportv, que garante a transmissão dos jogos das ligas A e B. 

Os clubes já foram comunicados de que as mudanças podem ser implantadas na próxima edição e por isso alguns começaram a se mobilizar. Esses são os casos de Santo André e Soya/Blumenau, que inscreveram suas equipes na Liga Nacional, pois pelo regulamento o torneio garante ao campeão e ao vice vagas na próxima Superliga. Seguindo essa mesma linha, o técnico Jorginho Schimidt, presidente da Associação Desportiva, Social e Cultural Novo Hamburgo (ADSC), fez o mesmo com a equipe de Novo Hamburgo, com medo de perder o lugar destinado aos gaúchos.

“Assim foi me dito pela confederação: Dez equipes da última edição estão garantidas. Conversei com Santo André e Blumenau, e ambos me disseram que eles também se inscreveram na Liga para poder classificar à Superliga (...) Nem pagamos a taxa de inscrição. Nos inscrevemos apenas para resguardar qualquer situação legal”, explicou o treinador, ao jornal Correio do Povo. Ele esteve a frente da Fatima/Medquimica/Sogipa, que ainda não se manifestou a respeito da continuidade do projeto. 

A ADSC não tem time e sequer está trabalhando para montar uma equipe para a Liga Nacional, porém a Federação Gaúcha de Vôlei acredita no bom senso da CBV sobre o assunto. O que se espera é que uma vaga na Superliga 2011/2012 seja ocupada por um representante do Rio Grande do Sul. Entretanto, as discussões sobre essa competição ainda vão se estender por mais tempo.

Se o projeto for colocado em prática na edição 2011/2012 fica a expectativa de saber como ficariam os convites de novos times para a Superliga. Já a Liga Nacional deve servir como uma competição para times semi-profissionais e universitários das cinco regiões do país, onde podem surgir novos talentos.

foto: UCS/Divulgação

Comentários