sexta-feira, 28 de abril de 2017

Bruninho fala em tom de despedida do Sesi-SP e deve retornar ao Modena

Após a eliminação nas semifinais da Superliga 2016/2017, o levantador Bruninho usou as redes sociais para agradecer ao Sesi-SP e praticamente confirmou sua saída do clube na próxima temporada. O campeão olímpico tem proposta do Modena e deve mesmo retornar ao time italiano, onde estava antes de assinar com a equipe paulistana. 

“Momento difícil pra dizer algo, mas a única coisa que gostaria era de agradecer por mais uma temporada, apesar dos títulos não terem vindo. Foi feita de um grupo de pessoas que lutou, que brigou e buscou sempre o melhor. Pessoas que levo pra sempre na minha vida, dentro do coração. O esporte e a vida nem sempre são feitas só de vitórias. Porém eu continuo acreditando que sempre podemos levar coisas positivas e eu levarei cada um de vocês! Pessoalmente triste pois sei que poderia ter feito mais e com certeza trabalharei muito para evoluir. Obrigado a todos que torceram e a toda direção do Sesi-SP pela oportunidade de ter jogado uma temporada no Brasil e num lugar tão especial! Parabéns a Taubaté pela classificação merecida pra final. Fizeram um grande jogo. Um grande abraço e vida que segue! Obrigado aos meus companheiros e comissão técnica mais uma vez”, disse Bruninho.

Se for confirmada a ida de Bruninho para o Modena, essa será a terceira vez que o levantador defenderá o clube italiano. Já o Sesi-SP teria interesse em William, do Sada/Cruzeiro, porém a negociação não seria das mais fáceis, já que a diretoria do time mineiro já anunciou que ele só deixa a equipe celeste se quiser.

foto: Bruno Miani/Inovafoto/CBV

(Superliga) Funvic/Taubaté derrota Sesi-SP e chega a final inédita

Diante de 5,100 mil pessoas, o Funvic/Taubaté (SP) derrotou o Sesi-SP por 3 sets a 1, parciais de 25/17, 25/19, 22/25 e 25/22, no ginásio Lauro Gomes, em São Caetano do Sul. Com o resultado, o time do Vale do Paraíba fechou a série melhor de cinco partidas em 4 jogos a 1, garantindo assim vaga na decisão da Superliga 2016/2017, que ocorrerá no dia 7 de maio, diante do Sada/Cruzeiro, no Mineirinho.

O ponteiro Fábio abriu a partida a favor do Sesi-SP. O Funvic/Taubaté virou o placar e fez 2 a 1 no erro do adversário. O time visitante ainda abriu 4 a 2. No bloqueio de Éder, o grupo do Vale do Paraíba abriu 7 a 3 e Pacheco pediu tempo. Com mais um ponto de Éder, desta vez de saque, o Taubaté fez 9 a 4. Com mais um bloqueio, os visitantes marcaram 12 a 6. Depois de bom levantamento de Rapha, Wallace pontuou e fez 14/8. Rapha, então, foi para o saque e, com ace, marcou 15 a 8. Pacheco parou o jogo. A diferença passou a ser de oito em 18 a 10. No ace de Lucão, o Sesi-SP fez 14 a 20. Com mais um ponto de saque de Raphael, o Funvic/Taubaté chegou a 23 a 16. No final, vitória do time de Taubaté em 25 a 17.

O Sesi-SP assumiu o comando do marcador em 3 a 2 com ponto de bloqueio simples de Murilo. No bloqueio individual de Otávio, o Funvic/Taubaté fez 6/4. No erro do adversário, o time visitante marcou 8 a 5. Com ponto de ataque de Douglas, que voltou a jogar depois de lesão no abdômen, o Sesi-SP fez 6 a 8. A equipe de Cezar Douglas ainda marcou 10 a 7. Em boa passagem de Bruninho pelo saque e contando com erros do adversário, o Sesi-SP encostou em 11 a 12 e Cezar Douglas pediu tempo. No bloqueio, o time da Vila Leopoldina deixou tudo igual: 14 a 14. O Taubaté teve dois de vantagem em 17 a 15. No bloqueio de Otávio, os visitantes abriram 19 a 16 e Pacheco pediu tempo. No bloqueio de Fábio, o Sesi-SP encostou em 19 a 20. A vantagem taubateana foi a 23 a 19. E, no ace de Rapha, o Funvic Taubaté fechou em 25 a 19.

Douglas pontuou pela entrada de rede para abrir o placar do terceiro set a favor do Sesi-SP. No ponto de Otávio, o Funvic Taubaté abriu 3 a 1. O time da Vila Leopoldina chegou ao ponto de empate em 4 a 4. No ace de Otávio, o time visitante marcou 8 a 6. No bloqueio de Douglas, o Sesi-SP chegou ao ponto de empate (9 a 9). O time da capital passou a comandar o marcador em 12 a 11 e Cezar Douglas pediu tempo. O Sesi-SP abriu dois em 15 a 13. No bom saque de Lucarelli, o Funvic/Taubaté voltou a empatar em 17 a 17. O set ganhou ainda mais emoção na reta final. O time da capital abriu dois em 21 a 19. Cezar Douglas pediu tempo. Douglas Souza fez 22 a 20. No final, vitória do Sesi-SP por 25 a 22.

Embalado pela vitória no set anterior, o Sesi-SP abriu 3 a 0 no começo do quarto set. Neste momento, Cezar Douglas pediu tempo. A equipe da Vila Leopoldina ainda abriu 5 a 2. No lance seguinte, no bloqueio de Riad, 6 a 2. A vantagem do Sesi-SP esteve em três pontos em 10 a 7. Com Lucas Lóh, o Funvic/Taubaté fez 10 a 13 e com Douglas, o time da capital fez 14 a 10. O time visitante reduziu a diferença para 13 a 15 e Pacheco pediu tempo. Na volta da parada, Otávio bloqueou e Taubaté encostou em 14 a 15. No erro do adversário, a equipe taubateana empatou em 16 a 16. Novo empate em 18 a 18. No bloqueio de Lucas Lóh, 19 a 18. No ponto de saque de Éder, 21 a 19. O time de Cezar Douglas seguiu melhor e fechou o set em 25 a 22.

“A atitude da equipe foi muito boa hoje. Falei no terceiro jogo e a nossa recepção e o nosso saque melhoraram muito, hoje sofremos muito menos na recepção. Tivemos consciência em relação a este ponto e isso ajudou muito. Estou muito feliz, a torcida toda veio de Taubaté e agora espero que possamos apresentar um bom trabalho contra o Sada/Cruzeiro”, disse o ponteiro Lucarelli, que foi eleito o melhor em quadra.

“Ter feito jogos fortes nessa semifinal, e ter tido esse quarto jogo, talvez faça com que o nosso time chegue com um pouco mais de ritmo, mas final é final. A pressão maior é deles, por serem os atuais campeões, mas vamos fazer de tudo para buscar esse título inédito para a cidade”, afirmou o oposto Wallace.

"O saque fez total diferença no jogo de hoje. Eles conseguiram ir melhor neste fundamento, o nosso não entrou e consequentemente não sofremos com isso. Reagimos no terceiro set, conseguimos encaixar e rodar melhor as bolas e nos mantivermos. No quarto set, onde poderíamos empatar e seguir, não conseguimos aproveitar as oportunidades. O voleibol é feito disso, e leva a melhor quem sabe aproveitá-las (...) Nós participamos de todas as finais da temporada, disputamos, brigamos, vencemos e perdemos. Isso faz parte de todo ciclo. Infelizmente não conseguimos seguir na competição e não culpo as lesões, coisa que muitos questionam. Faz parte do processo. Nós sofremos, estudamos e fizemos o máximo para supri-las”, explicou o técnico Marcos Pacheco, que ainda comentou sobre a temporada.

“Caímos hoje com gostinho de que poderíamos ter feito mais, principalmente no primeiro jogo, quando fomos muito abaixo do que vínhamos treinando e jogando. Os outros jogos foram equilibrados, o que resume essas duas equipes. Nosso time está de parabéns e o deles também”, declarou o central Riad.

Equipes:

Sesi-SP: Bruninho, Théo, Riad, Lucão, Fábio, Murilo e Serginho (líbero)
entraram: Rafa, Alan, Leitzke, Douglas Souza e Johan
técnico: Marcos Pacheco

Funvic/Taubaté: Rapha, Wallace, Otávio, Éder, Lucarelli, Lucas Lóh e Mário Jr. (líbero)
entraram: Danilo Gelinski, Renan, Japa e Matheus
técnico: Cezar Douglas

foto: Wander Roberto/Inovafoto/CBV

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Pensando na final, Sada/Cruzeiro faz treino de ambientação no Mineirinho

Classificado para a sétima final consecutiva da Superliga, o elenco do Sada/Cruzeiro já começa a se adaptar ao palco da decisão do dia 7 de maio. Na última terça-feira, o time celeste realizou um trabalho tático no ginásio do Mineirinho, em Belo Horizonte, enquanto espera o adversário que sairá do confronto entre Funvic/Taubaté e Sesi-SP, que estão no quarto confronto da série melhor de cinco.

“É muito bom pra gente treinar aqui no Mineirinho, pois este é um ginásio muito grande. E na Superliga não estamos acostumados a jogar em ginásios tão grandes, então acredito que essa adaptação será boa para a gente. Hoje foi o primeiro dia e amanhã já vamos começar a realizar treinamentos completos. Vamos treinar bloqueio, defesa e contra-ataque, além de seguir trabalhando no nosso saque”, comentou o treinador Marcelo Mendez.

“Eu vou disputar a minha primeira final aqui pelo time e é uma maravilha. Uma maravilha não só por estar no Mineirinho, mas por estar fazendo uma final de Superliga com a camisa do Sada Cruzeiro. Esse sempre foi o nosso objetivo. A gente vem defender o time para viver este momento. Então é algo muito especial e eu quero aproveitar o máximo possível essas duas semanas para tentar dar tudo de mim e fechar esta temporada com chave de ouro”, avisou o oposto Evandro.

Até esta sexta-feira, o Sada/Cruzeiro estará no Mineirinho durante todas as manhãs realizando treinos técnicos e táticos. A grande preocupação da comissão técnica celeste é perder o ritmo de jogo, já que o time ficará mais de 10 dias sem atuar oficialmente antes da decisão.

foto: Renato Araujo/Sada/Cruzeiro

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Rafael Araujo admite evolução e quer ficar mais uma temporada na Europa

O oposto Rafael Araujo viveu sua primeira experiência na Europa na temporada 2016/2017 e com a camisa do MKS Bedzin foi um dos destaques da PlusLiga, como é conhecido do Campeonato Polonês. Aos 25 anos, o jogador, que foi chamado pelo técnico Renan Dal Zotto para um período de observação no Centro de Desenvolvimento em Saquarema, espera seguir atuando na Europa.

“Sinto que evoluí bastante nesta temporada fora do Brasil, foi bastante produtiva. O Bedzin começou o campeonato de forma surpreendente, mas não conseguiu manter o mesmo ritmo. Pessoalmente, consegui me destacar no ataque e saque. Ganhei mais consistência no saque. Isso me deixou muito feliz e confirmou um trabalho muito duro (...) Meu objetivo é ficar mais um ano na Europa e continuar o processo de evolução. Esta temporada aqui me deu uma bagagem muito grande. Me sinto mais preparado para defender a seleção”, declarou Rafael Araujo.

O oposto, que já teve passagens por Cimed, Taubaté e Sesi-SP, defendeu a seleção brasileira de base, sendo que em 2013, o jogador de 2,06m foi campeão mundial sub-23 com a camisa verde e amarela. Agora, o momento é de ser observado pela nova comissão técnica do Brasil e trabalhar para em breve ser convocado novamente.

“Tive a oportunidade de estar na seleção do Bernardinho em 2014. Foi uma grande experiência estar em um grupo tão vitorioso, viver o dia a dia com eles, tudo me fez crescer. Nesta nova chance, agora com o Renan, vejo como uma oportunidade real de brigar por posição dentro da seleção”, concluiu o oposto.

foto: Wojtek Borkowski

(Superliga) Sesi-SP x Funvic/Taubaté é promessa de jogão em São Caetano

O ginásio Lauro Gomes, em São Caetano do Sul, recebe, nesta quinta-feira, às 19h30min, o quarto duelo entre Sesi-SP e Funvic/Taubaté pela semifinal da Superliga 2016/2017. O time do Vale do Paraíba venceu os dois primeiros confrontos, enquanto a equipe paulistana ganhou a última partida, deixando a série melhor de cinco em 2 a 1 para os comandados de Cezar Douglas. O jogo terá transmissão do Sportv.

Em caso de vitória do time de Taubaté, o mesmo estará classificado para a final, onde já está o Sada/Cruzeiro, que eliminou o Brasil Kirin em 3 jogos a 0. Caso o Sesi-SP consiga a vitória, a série irá para o quinto e decisivo jogo, no dia 1º de maio, às 19h, no ginásio Abaeté, em Taubaté.

Depois de duas derrotas seguidas, o Sesi-SP se recuperou com uma grande atuação na última sexta-feira, no Abaeté. O oposto Theo foi um dos destaques sendo responsável por virar bolas complicadas, assim como o levantador Rafa, que entrou durante a partida no lugar de Bruninho, e mudou a cara da equipe em quadra. Para completar, o jovem Fabio foi fundamental no tie-break. A boa presença de jogadores do banco de reservas deu esperança ao técnico Marcos Pacheco, que sofre com problemas de lesão no elenco.

Sem Douglas Souza, Sidão e Aracaju, o comandante do Sesi-SP vem buscando a formação ideal a cada partida e contando com o sacrifício de alguns atletas, como o experiente Murilo, que vem se desdobrando no ataque, e o jovem Alan, que é oposto, mas vem sendo aproveitado como ponteiro. O estilo aguerrido da última partida é um fator que pode dar aos paulistanos um gás a mais no confronto.

“Precisamos manter a mesma calma do terceiro jogo, porque ainda continuamos em uma situação adversa. Acho que a serenidade que entramos para encarar o terceiro duelo foi muito importante. Mas, ao mesmo tempo é preciso agressividade, precisamos entrar com a mesma vontade de vencer, já que estamos atrás nesta série. Temos que esquecer as duas derrotas e manter o foco, o pé no chão porque uma vitória não adiantou anda até agora. Entramos no playoff tendo que ganhar três partidas e ainda temos essa possibilidade”, disse o central Riad.

Pelo lado do Funvic/Taubaté, o técnico Cezar Douglas viu o time ter altos e baixos na partida passada, mas nada que afete o bom momento que a equipe passa na competição. O oposto Wallace, o ponteiro Lucarelli e o levantador Rapha estão comendo a bola e é visível o entrosamento adquirido do início da temporada para agora. Agora fora de casa, o objetivo é manter o mesmo estilo, porém tendo mais cuidado nos momentos decisivos da partida.

“Temos que nos atentar as nossas falhas, corrigir tudo que fizemos de errado no terceiro jogo. O exagero de erros pode custar uma classificação para a final. Não podemos deixar um set que vencíamos por 24 a 21, ser fechado pelo adversário, estamos atentos quanto a isso. Já vencemos o Sesi em São Caetano e vamos lutar por isso na quinta-feira. Queremos vencer e garantir a classificação para a final”, disse o oposto Wallace.

“Na minha opinião esta é uma série semifinal digna de uma Superliga disputada como essa, entre dois cubes que nesses últimos anos estão fazendo lindos clássicos no voleibol brasileiro. No último jogo, eles souberam aproveitar um pouco mais as oportunidades que tiveram e conseguiram a vitória. Amanhã, quem conseguir aproveitar esses momentos delicados do jogo com menos erro, tem tudo para conseguir a vitória. Para o nosso time é saber aproveitar as chances ao longo do jogo”, explicou o levantador Rapha.

Equipes:

Sesi-SP: Bruno, Théo, Lucão, Riad, Vaccari, Murilo e Serginho (líbero)
técnico: Marcos Pacheco

Funvic/Taubaté: Rapha, Wallace, Éder, Otávio, Lucas Lóh, Lucarelli e Mário Jr. (líbero)
técnico: Cezar Douglas

foto: Bruno Miani/Inovafoto/CBV

Dentro e fora de quadra, Brasil Kirin avalia temporada 2016/2017

A temporada 2016/2017 do Brasil Kirin chegou ao final no último sábado, quando a equipe comandada por Horacio Dileo foi eliminada nas semifinais da Superliga pelo Sada/Cruzeiro. Para a diretoria, a sensação, mais uma vez, é de dever cumprido, não só pelos resultados apresentados dentro de quadra, mas também pelo que o time campineiro mostrou fora das quatro linhas, reforçando a identidade com a cidade e trabalhando em ações sociais.

“Para nós é motivo de orgulho sermos lembrados por este tipo de trabalho. Desde que iniciamos o projeto, em 2010, temos a missão de mostrar que o esporte pode ser referência na parte social. Por isto, tornamos esta parte um dos pilares no nosso projeto, ao lado do alto rendimento e das categorias de base, onde trabalhamos a formação humana e técnica dos jogadores”, comentou Maurício Lima, embaixador do Vôlei Brasil Kirin.

Um dos destaques nesse quesito foi a arrecadação de alimentos não perecíveis nos jogos disputados no ginásio do Taquaral. Na temporada 2016/2017, foram aproximadamente 20 toneladas, distribuídas para 119 entidades de Campinas através do Banco de Alimentos. O time campineiro também levantou bandeiras contra a exploração infantil, vestiu as cores rosa e azul para alertar a prevenção ao câncer de mama e de próstata, respectivamente, e participou da Campanha do Agasalho 2017, entre outras ações pontuais.

Dentro de quadra, o Brasil Kirin disputou quatro competições: Copa São Paulo, Campeonato Paulista, Copa do Brasil e Superliga, chegando às semifinais em todas elas. O momento agora é de planejar a próxima temporada e a idéia é não fugir da política de ‘pés no chão’, dependendo do orçamento que o time terá. Especula-se que o campeão olímpico Maurício Souza e o líbero Tiago Brendle já estejam acertados com o Sesc-RJ.

“Acho que conseguimos, na prática, uma coisa que é muito desejada no mundo esportivo: o destaque do trabalho em equipe. Juntos, conseguimos fazer com que nosso time fosse construído não pela soma das individualidades, mas como um conjunto. Essa foi nossa principal marca na temporada ”, opinou o coordenador técnico, André Heller. 

“Tínhamos o objetivo de ficar entre os quatro melhores e conseguimos cumpri-lo. Vinhamos de um vice-campeonato, a responsabilidade era grande, mas conseguimos montar um time competitivo e, principalmente, comprometido com os valores do nosso projeto, o que me deixa mais satisfeito”, encerrou Maurício Lima.

foto: Brasil Kirin/Divulgação

BCC New Matter vira contra o Bergamo e chega a decisão da Serie A2 Italiana

Foi emocionante e apenas no último jogo que o BCC New Matter derrotou o Caloni Agnelli Bergamo, garantindo assim vaga na decisão da Serie A2 do Campeonato Italiano. Depois de perder as duas primeiras partidas da série melhor de cinco, a equipe dos brasileiros Bruno Canuto e Djalma empatou o duelo e na última terça-feira fechou o confronto ao vencer por 3 sets a 1, parciais de 23/25, 25/23, 25/20 e 25/23.

“A equipe passou por um momento difícil no primeiro jogo que estávamos ganhando de 2 a 0 e levamos a virada de 3 a 2 neste momento a equipe perdeu um pouco a cabeça, então fomos para o segundo jogo na casa deles ginásio lotado e com o psicológico meio abalado pois nossa equipe fez uma temporada impecável ficando em primeiro na classificação. Não queríamos acredita que podíamos ficar de fora da final, mesmo assim perdemos a segunda partida ficando mais longe do nosso grande objetivo”, declarou o ponteiro Djalma, que explicou como a equipe chegou a virada no confronto.

“Fizemos uma reunião tranquila aonde falei muito em união do grupo a todos se ajudarem mais e realmente funcionou. Jogamos em casa unidos como nunca e vencemos a primeira partida , mas sabíamos que seria difícil a partida na casa deles na sequência. Fomos até Bergamo, 14 horas de ônibus, lutamos até o último ponto do tie-break que estávamos perdendo de 11 a 7 e buscamos uma virada incrível empatando a série. O time ganhou muita confiança e em casa já esperávamos uma vitória com o ginásio cheio esperando pelo momento que tanto sonhamos uma vaga na final”, completou.

Djalma foi o maior pontuador do confronto, com 22 acertos, enquanto Bruno Canuto marcou oito pontos, sendo dois aces. Na decisão, o BCC New Matter encara o Monini Spoleto, que eliminou na semifinal o Siena, do brasileiro Renato Russomano, por 3 jogos a 1. O primeiro jogo da final ocorre no dia 30, em Castellana Grotte.

foto: BCC New Matter/Divulgação

terça-feira, 25 de abril de 2017

Comandado por Carlos Schwanke, Al-Rayyan fatura a Copa Emir no Qatar

No último sábado, o técnico Carlos Schwanke levou o Al-Rayyan a conquista da Copa Emir ao bater o Al-Arabi por 3 sets a 0, parciais de 25/20, 25/15 e 36/34. O título da competição, que é considerada uma das mais importantes do Qatar, foi bastante comemorada pela equipe, que conta no elenco com o oposto Goiano (ex-Sesi-SP) e o ponteiro cubano Camejo (ex-Vôlei Futuro).

“Desta vez tivemos tempo suficiente para preparar uma boa combinação. Também tivemos um pouco de descanso antes da final. Na Copa do Qatar, acho que não estávamos prontos devido aos preparativos para o troféu do Golfo”, declarou Schwanke, lembrando a derrota para o mesmo adversário por 3 sets a 1 na decisão da Copa do Qatar, no último dia 9.

“Parabéns a toda a equipe, que jogou um fantástico voleibol (...) A chegada do sérvio Nikic melhorou nossa defesa e ataque, bem como, Camejo e Petrovic. Estamos muito felizes em terminar a temporada com o grande título e estou muito orgulhoso da minha equipe”, acrescentou o treinador brasileiro.

Vale destacar que Carlos Schwanke chegou ao Al-Rayyan nesta temporada após passar pelo Dar Kulaib, do Bahrain, enquanto o oposto Goiano está no país desde 2012 quando defendeu o Al Ahly. Já o cubano Camejo, que foi o maior pontuador da decisão, estava no Beijing, da China, antes de assinar com o Al-Rayyan.

foto: Al Rayyan/Divulgação