quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Superliga 2017/2018 começa no dia 14 de outubro com clássico do futebol

Nesta quarta-feira, os dirigentes da Confederação Brasileira de Voleibol, Renato D´Ávila e Cilda D´Angelis, se reuniram com os representantes dos 12 clubes participantes da próxima edição da Superliga para os ajustes da tabela e regulamento da competição. A Superliga 2017/2018 terá início no dia 14 de outubro e alguns ajustes poderão acontecer para viabilizar as transmissões das televisões.

Estiveram presentes representantes dos 12 clubes que estarão na próxima Superliga: os mineiros (Sada/Cruzeiro, Minas Tênis Clube, Montes Claros e JF Vôlei), os paulistas (EMS Taubaté/Funvic, Sesi-SP, Vôlei Renata e Corinthians/Guarulhos), os paranaenses (Copel Telecom/Maringá e Caramuru/Castro), além do gaúcho Vôlei Canoas e do carioca Sesc-RJ.

Três treinadores também estiveram presentes na reunião: Marcelo Mendez, do Sada/Cruzeiro, Rubinho, do Sesi-SP, e Fábio Sampaio, do Caramuru/Castro. Alguns jogos chamam atenção logo na primeira rodada do campeonato, como o confronto entre os times que contam com parceria do futebol, Sada/Cruzeiro x Corinthians/Guarulhos, que promete começar agitando a Superliga.

“Acho que a chegada do Corinthians-Guarulhos vai ser muito importante, primeiro porque são dois times de futebol, times importantíssimos e uma rivalidade que agora chega ao voleibol também. Uma rivalidade boa, que vai acrescentar muito para o público, para quem vai ver o jogo”, disse o treinador e atual campeão, Marcelo Mendez, que ainda falou sobre a meta do seu time na competição.

“O objetivo é sempre o melhor, os 100%. Sabemos que o nível da competição melhorou ainda mais este ano, com grandes equipes, o Taubaté se reforçou, o Sesi-SP, o Sesc-RJ, Vôlei Renata, de Campinas, são todas equipes muito fortes e o nível é mesmo alto”, concluiu o treinador argentino.

“É muito importante para o voleibol estar trazendo esse público diferente, um público grande e apaixonado, pois o corintiano é muito apaixonado. O voleibol ganha outro tipo e tamanho de público. Sentimos isso em jogos que já fizemos em Guarulhos”, contou o Gerente do Corinthians/Guarulhos, Joel Monteiro.

Vale lembrar que a primeira fase da Superliga 2017/2018 ocorre em turno e returno, com os oito primeiros se classificando para os playoffs. Nas quartas de final as séries serão em melhor de três jogos, enquanto na semifinal serão cinco jogos para definir os finais. A grande decisão ocorrerá em duas partidas, uma na casa de cada equipe, e golden set, caso haja uma vitória para cada lado.

Confira a 1ª rodada

14/10 (sábado)
18h – Sesc-RJ x EMS Taubaté/Funvic, no Tijuca T.C.
18h – Caramuru/Castro x Vôlei Renata, no Padre José Pagnacco
18h – Lebes/Gedore/Canoas x Montes Claros, no La Salle
18h – JF Vôlei x Minas Tênis Clube, na UFJF
18h30min – Copel Telecom/Maringá x Sesi-SP, no Chico Neto
20h – Corinthians/Guarulhos x Sada/Cruzeiro, na Ponte Grande

foto: CBV/Divulgação

(Paulista) Em duelo de novatos, UM Itapetininga encara Vôlei Ribeirão

Nesta quarta-feira, às 20h, o ginásio Ayrton Senna recebe uma partida entre dois times que começam sua caminhada nesta temporada. Um/Itapetininga e São Francisco Saúde/Vôlei Ribeirão se enfrentam pelo Campeonato Paulista – Divisão Especial, mas esse duelo tem tudo para se estender por outras competições, como a Superliga B, que elas disputarão em janeiro.

Mesmo com duas derrotas até o momento, o UM Itapetininga vem em crescimento, já que depois de estrear perdendo para o Sesi-SP, fez um jogo duríssimo diante do EMS Taubaté/Funvic que acabou no tie-break. O técnico Fabiano Magoo sabe que o time pode render mais, porém também entende que o trabalho ainda está no início em enfrentar logo de cara dois fortes candidatos ao título não é tarefa das mais fáceis.

“Estamos trabalhando com determinação nos treinamentos, onde jogadores e comissão técnica estão unidos em um só pensamento de colher os resultados positivos para a torcida. Ela (torcida) foi fundamental pela demonstração de carinho e confiança, mesmo na derrota em casa”, ressaltou o técnico Fabiano Magoo.

Também ainda sem ganhar no Estadual, o São Francisco Saúde/Vôlei Ribeirão perdeu também para Sesi-SP e EMS Taubaté/Funvic. Segundo o técnico Marcos Pacheco, o duelo será entre duas equipes muito parecidas, tanto em tempo de trabalho quanto na presença de jovens talentos, alinhados com atletas experientes em posições chaves, como o oposto André Nascimento (no UM Itapetininga) e o levantador Jotinha (no Vôlei Ribeirão).

“Vamos enfrentar um adversário parecido com o nosso time. O Itapetininga também é recém-criado e acredito ter os mesmos objetivos que a gente, que é se fortalecer no Paulista, mas com foco na Superliga B. Pelo que analisamos deverá ser um jogo equilibrado, pois nossas forças são parecidas”, declarou o técnico Marcos Pacheco.

“Treinamos muito forte nos últimos dias. Vamos lutar pela primeira vitória. É um jogo muito importante para nós”, afirmou o ponteiro Willian.

foto: UM Itapetininga/Divulgação

(Paulista) Corinthians/Guarulhos recebe o Vôlei Renata nesta quarta-feira

O Corinthians/Guarulhos faz o primeiro jogo em casa pelo Campeonato Paulista nesta quarta-feira, às 20h, quando encara o Vôlei Renata/Campinas, no ginásio da Ponte Grande. Após estrear com vitória diante do Climed/Atibaia, os comandados de Alexandre Stanzioni querem vencer mais uma, desta vez com o apoio do torcedor, enquanto a equipe de Campinas busca mais um resultado positivo na competição.

A conquista da Taça Ouro, que valeu a vaga na Superliga 2017/2018, já faz parte do passado e todos no Corinthians/Guarulhos só pensam no Estadual. Após um duelo muito equilibrado no ginásio Elefantão, o técnico Alexandre Stanzioni espera ver o time evoluindo, já que a cada partida o entrosamento será maior e o ritmo de jogo ajudará para o desenvolvimento do trabalho.

“Em todas as ações que estamos fazendo, estamos querendo pontuar de uma vez só, e isso acaba com que cedamos muitos pontos para os adversários. Podemos trabalhar melhor as bolas, dar mais chances ao contra-ataque, o saque pode não fazer ponto, mas pode quebrar o sistema de recepção do adversário e melhorar o bloqueio e defesa. É nesse sentido que tenho conversado com a equipe”, analisou o técnico Alexandre Stanzioni.

“A única certeza que temos é que o Diogo está fora, fez uma cirurgia e ficará um mês parado, uma baixa importante, pois ele é uma referência da equipe. Em contrapartida, o (Leandro) Vissotto fez um ótimo jogo na última rodada, mas eles vêm na pressão de dois jogos e uma vitória e uma derrota, então temos de aproveitar essa pressão do lado de lá, bem como o nosso mando de jogo. Campinas é uma equipe competente, pesada, com jogadores experientes, e isso nivela as duas equipes”, analisou o oposto Rivaldo, mostrando conhecimento do momento do adversário.

Pelo lado do Vôlei Renata a boa vitória sobre o São José Vôlei na rodada passada, no Taquaral, mostrou que a derrota na estreia para o Super Vôlei/Santo André foi um contratempo e o time vai melhorar significativamente. O técnico Horacio Dileo não contará com o ponteiro Diogo, mas ainda sem tem um time forte e um bom desafogo no ataque, no caso com o oposto Leandro Vissotto.

“Fizemos um bom jogo contra São José e estamos melhorando a cada dia. Nesta quarta-feira, enfrentaremos um adversário que tem as mesmas pretensões que a gente na competição, por isto, a concentração tem que ser lá em cima o tempo todo. Sabemos das dificuldades que vamos ter, mas estamos confiantes em buscar a vitória fora de casa”, comentou o central Salsa, que sabe da importância de embalar na competição.

“A gente sabe que o Paulista exige bastante e que quanto mais treinarmos, mais estivermos juntos dentro de quadra, é claro, melhor para o nosso crescimento. Então é o momento de se preocupar apenas em melhorar a cada dia e conseguir corresponder durante os jogos”, acrescentou o camisa 17.

foto: Nícollas Ornelas

Caramuru/Castro fica com a vaga do Bento Vôlei e está na Superliga 2017/2018

O M.V.Selmer/Compagás/Caramuru estará na disputa da Superliga 2017/2018. Com a informação da desistência do Bento Vôlei, a equipe de Castro, que foi vice-campeã da Taça Ouro, volta à elite do voleibol nacional e representará o Estado do Paraná ao lado do Copel Telecom/Maringá na competição, que deve iniciar em outubro e contará com 12 clubes.

O Caramuru/Castro garantiu o acesso para a elite do voleibol brasileiro após conquistar o título da Superliga B em 2016. De acordo com a diretoria e a comissão técnica, a primeira participação na elite, onde o time acabou sendo lanterna, serviu de um grande aprendizado. Nesta temporada, já encarou a Taça Ouro, no Rio de Janeiro, e ficou atrás apenas do Corinthians/Guarulhos, surpreendendo o anfitrião Botafogo.

“Na verdade não podemos dizer que fomos pegos de surpresa, pois estávamos acompanhando a situação de Bento. A realidade de Castro continua a mesma, com os mesmo patrocinadores e um pouco melhor em relação ao que teríamos para a disputa da Superliga B. Infelizmente o mercado está fechado, mas estamos trabalhando para reforçar o time e repor algumas peças que saíram após a Taça Ouro (...) O projeto continua o mesmo, em passos curtos e firmes e acredito que vamos fazer uma Superliga melhor do que fizemos na temporada passada”, declarou o técnico Fábio Sampaio.

Antes de encarar a Superliga 2017/2018, o Caramuru/Castro segue em busca do bicampeonato paranaense, sendo que até o momento a equipe está invicta na competição. Vale lembrar que recentemente a equipe paranaense perdeu o oposto Edy, o ponteiro Robinho e o central Michel Saraiva para o Canoas Vôlei. 

foto: Caramuru Vôlei/Divulgação

(Mundial Sub-23) Seleção Brasileira vence Japão e vai para a semifinal invicta

A Seleção Brasileira Sub-23 continua em grande fase no Campeonato Mundial da categoria, que acontece no Cairo, capital do Egito. Na manhã desta quarta-feira, pela quinta e última rodada da fase de classificação, o Brasil levou a melhor sobre o Japão por 4 sets a 0, parciais de 15/9, 15/12, 15/7 e 16/14, mantendo a invencibilidade.

Já classificado em primeiro lugar do Grupo A de forma antecipada, não deu chances para os japoneses que acabou cometendo muitos erros, gerando pontos para o Brasil (22 contra seis). O bloqueio também foi uma arma importante para a equipe verde e amarela que marcou oito pontos neste fundamento contra nenhum do lado adversário. O destaque individual foi o ponteiro Douglas Souza, que marcou nove pontos.

“Estou muito feliz com a nossa performance hoje. Jogamos bem com a primeira bola, nosso saque foi bem também. Colocamos pressão na equipe do Japão, e o nosso bloqueio funcionou bem. A semifinal será um grande jogo, independentemente de quem seja o adversário. Estamos confiantes”, contou o treinador Giovane Gávio.

O Brasil espera a definição do adversário da semifinal que será o segundo colocado no Grupo B e que pode ser Argentina, Irã ou Rússia. A partida que vale uma vaga na decisão será nesta quinta-feira, às 12h30min (horário de Brasília), com transmissão ao vivo pelo canal no YouTube da Federação Internacional de Vôlei.

foto: Getty Image/FIVB

Bento Vôlei anuncia oficialmente sua desistência da Superliga 2017/2018

Em nota oficial, o Bento Vôlei informou sua desistência da Superliga 2017/2018. A diretoria do clube gaúcho explicou que apesar de todos os esforços esbarrou na crise econômica do país, que prejudicou a captação mínima necessária para que o time pudesse realizar a temporada. Com isso, ficou definido a não participação da equipe, com a ideia de não comprometer a saúde financeira da instituição.

Confira a nota oficial:

A Sociedade Educativa, Cultural e Poliesportiva Bento Gonçalves (Bento Vôlei), comunica, com extremo desalento de toda a sua diretoria, a sua desistência de participar da Superliga 2017/2018, disponibilizando nossa vaga relativa a competição nacional à Confederação Brasileira de Voleibol.

Apesar de todos os esforços e da força-tarefa desempenhada por todos os membros da diretoria para que possibilitássemos a participação do clube na principal competição de voleibol do país, esbarramos na crise econômica do país e infelizmente não obtivemos a captação mínima necessária para atingirmos os recursos essenciais que garantissem a realização plena da temporada. Desta forma, fomos obrigados a tomar essa decisão almejando não comprometer a saúde financeira do clube e sua tradição de cumprir severamente com o seu dever. 

Queremos agradecer ao setor privado, em especial a empresa Isabela/Grupo M.Dias Branco, a qual soma a sua quarta temporada apoiando o esporte do nosso município e que mais uma vez se propôs a manter o patrocínio junto ao clube; a Rede de Hotéis Dall’Onder por novamente estar conosco apoiando a equipe para a temporada 2017/18 e, por fim, ao Minas Tênis Clube, na pessoa Carlos Alberto Villar Castanheira, o Cebola, que se propôs a criar uma parceria com o Bento Vôlei com o intuito de viabilizar a nossa participação na Superliga.

Esta decisão tomada veio após um grande esforço da diretoria em buscar alternativas de diversos âmbitos que garantissem a nossa permanência na elite do voleibol gaúcho e nacional. Desde a retomada do voleibol profissional pelo Bento Vôlei, os alicerces para a manutenção das atividades da equipe de alto-rendimento sempre foram a iniciativa privada e o setor público, assim como todos os demais clubes da Superliga. No momento em que um dos principais apoiadores, o Pró-Esporte, se encontrou fechado até este presente momento e a prefeitura municipal cessando a disponibilidade de recursos financeiros ao clube, ficamos dependentes apenas do setor privado, mas os recursos da iniciativa privada não foram suficientes para viabilizar a participação do clube na Superliga. 

Esta decisão não se deve a vontade individual de nenhum dos membros da diretoria, porém a situação nos obrigou a tomar essa medida, por mais difícil que ela seja. Precisamos ter responsabilidade para com a história e com a tradição do clube, honrando os princípios do clube, que vem desempenhando um papel importante e fundamental no município de Bento Gonçalves.

Agradecemos a toda a comunidade de Bento Gonçalves e a todos que estiveram nestes anos apoiando e levando ao ginásio um dos maiores públicos da Superliga, bem como quebrando recordes de público em um evento esportivo no município. Agradecemos a cada torcedor e a cada família pelo apoio e o incentivo de que sempre foi nos dado com muito amor e carinho. 

O Bento Vôlei não para por aqui, muito pelo contrário. Continuaremos o nosso trabalho e dever com a base do clube e com todas as nossas crianças do projeto social, visando sempre um mundo melhor através do esporte.

foto: Divulgação

(Paulista) EMS Taubaté/Funvic vence Super Vôlei/Santo André e segue invicto

Pela 4ª rodada do Campeonato Paulista – Divisão Especial, o EMS Taubaté/Funvic derrotou o Super Vôlei/Santo André por 3 sets a 0, parciais de 25/21, 25/19 e 25/21, no ginásio Pedro Dellantonia. Com o resultado, o time do Vale do Paraíba chegou aos oito pontos, continuando invicto na competição, enquanto a equipe do ABC sofreu a segunda derrota e continua com três pontos.

Após um começo equilibrado, a EMS/Taubaté Funvic conseguiu impor um ritmo mais forte. Os visitantes abriram uma vantagem e conseguiram se manter à frente no placar e mesmo com certa pressão do Super Vôlei/Santo André conseguiu se segurar e fechar o primeiro set em 25 a 21. Os donos da casa voltaram com a mesma intensidade no segundo set e chegou a liderar o placar, mas a partir da metade da parcial, os comandados Daniel Castellani deram mais velocidade e fecharam em 25 a 19. O terceiro set foi muito parecido como o anterior e novamente os visitantes venceram por 25 a 18.

“O trabalho até agora está sendo novo para nós, o (Daniel) Castellani exige bastante da parte técnica, e isso faz com que a gente tenha que se superar a cada partida. Tenho certeza de que quando estivermos com o elenco completo, estaremos ainda mais fortes”, disse o oposto Renan, que foi o maior pontuador do jogo, com 16 acertos.

“É bom que todos estejam em quadra para que nos momentos decisivos que virão, eles estejam prontos. Todos estão correspondendo a isso até agora e tenho total confiança nos meus atletas”, afirmou o treinador Daniel Castellani, que vem rodando bastante a equipe neste início de Estadual.

O EMS Taubaté/Funvic volta a quadra na próxima sexta-feira, dia 25, às 20h, contra o São José Vôlei, no ginásio Abaeté. Já o Super Vôlei/Santo André joga no sábado, dia 26, às 16h, contra o São Francisco/Saúde, na Cava do Bosque.

foto: Rafinha/EMS Funvic Taubaté

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Certidão negativa, dívidas e a indisposição de clubes e jogadores

A temporada 2017/2018 já começou para vários clubes, seja em quadra ou fora dela através de contratações, treinamentos ou partidas oficiais. Entretanto, para muitos, o voleibol nacional só começa com a Superliga, que deve iniciar no final de outubro com a presença de 12 clubes. Porém, resquícios da temporada passada ainda mexem com os bastidores de alguns times, de atletas e com a CBV.

Segundo o regulamento da Superliga, os clubes precisam apresentar certidão negativa de dívidas junto a sua respectiva federação, porém isso é apenas uma segurança para as entidades, enquanto alguns jogadores podem ficar com salários atrasados e a equipe seguir com seus compromissos normalmente. Neste caso, as duas partes demoram a chegar a um acordo, ainda mais pela ausência da justiça, devido a um ‘simbolismo’ existente do meio do esporte.

Aqui vamos explicar esse simbolismo. Um jogador tem dois meses de salários atrasados, mas não entra na justiça contra o clube, pois tem receio de se ‘queimar’ no mercado, ou seja, não conseguir outro time, devido ao litígio legal. No voleibol é raro vermos um atleta ingressar judicialmente, porém não existe nada de errado em se exigir seus direitos. Por outro lado, alguns clubes ignoram esse fato e seguem suas vidas sem que nada tivesse ocorrido.

O Espaço do Vôlei entende que o regulador dessa situação teria que ser a CBV, porém com o aval e o auxilio da Comissão dos Atletas, que precisa ‘brigar’ pelos jogadores, sem que os mesmo sofram represálias junto aos clubes. Cabe aqui, um questionamento? - Ter as contas zeradas da edição passada deveria ser obrigação para seguir ou ingressar na Superliga A ou B.

Agora para que isso aconteça, não adianta a mídia (e o Espaço do Vôlei abre aqui esse debate) pedir isso pelos jogadores. Os próprios atletas, que se sintam lesados ou aqueles que entendem a posição dos mesmos, deveriam, nem que fosse de forma anônima exigir da CBV e da Comissão de Atletas, uma posição a respeito, e um prazo para que isso se resolva.

Pelo lado do torcedor, tentem se colocar na posição do atleta, que trabalhou e não recebeu por isso. Já pelo lado dos clubes, todos sabem das dificuldades de se fazer esporte no Brasil, mas mídia negativa em relação a não pagamento de atletas é uma das piores situações para se conseguir patrocínio.

Em resumo, o Espaço do Vôlei fará seu papel e pede para os jogadores (que terão seus nomes preservados) relatarem através do nosso email (na aba contato) suas situações.

foto: Divulgação