domingo, 17 de dezembro de 2017

(Superliga) Na volta de Murilo, Sesi-SP bate o Sesc-RJ no final do 1º turno

No encerramento da 11ª rodada e do turno da Superliga 2017/2018, o Sesi-SP derrotou o Sesc-RJ por 3 sets a 1, parciais de 25/17, 25/20, 16/25 e 25/18, no ginásio da Vila Leopoldina. Com o resultado, o time paulistano chegou aos 24 pontos e permanece na 4ª colocação, enquanto a equipe carioca parou nos 28 pontos, mas segue como vice-líder da competição.

O confronto já começou com uma bola bastante disputada e, no ataque para fora do Sesc RJ, a equipe da casa abriu o placar. O jogo teve um início equilibrado, com as equipes trocando pontos. Com Alan, o Sesi-SP marcou 3 a 2. O Sesc-RJ virou o set em 6 a 5. Com Alan, o time da casa reassumiu o comando do marcador e colocou dois de vantagem (8 a 6). Novamente com o oposto, o Sesi-SP chegou a 11 a 8. Quando o placar foi a 12 a 8, Giovane pediu tempo. Na volta, ponto de saque de Lipe (13 a 8). João Rafael cortou em um ponto a diferença: 12 a 16. Lipe, em um forte ataque, fez 18/13 para o Sesi-SP. O placar foi a 20 a 14 e Giovane pediu tempo novamente. Os donos da casa ainda chegaram a 23 a 14. Com folga no placar, o Sesi-SP fechou em 25 a 17.

Com Maurício Borges pontuando, o Sesc RJ fez 2 a 1 no início do segundo set. O time carioca seguiu no comando do placar até Lucão colocar o Sesi-SP em vantagem: 8 a 7. Com Lipe pela entrada de rede, 11 a 8. Contando com erros do Sesc RJ, os donos da casa ainda chegaram a 13 a 9. Bem no saque e com Lipe pontuando bem, o Sesi-SP não enfrentou dificuldades para fazer 15 a 11. O Sesc RJ reagiu e no bom saque de Tiago Barth encostou em 15 a 16. Rubinho pediu tempo. Na volta da parada, Renan bloqueou e empatou o set. Com Lipe, o time paulista voltoi a comandar o placar em 19 a 17. Na bola de segunda de Thiaguinho, 19 a 21. O Sesi-SP seguiu melhor e, contando com erros do adversário, fechou o segundo set em 25 a 20.

O Sesc RJ abriu a terceira parcial com ponto de bloqueio de João Rafael. Com outro ponto neste fundamento, desta vez com Maurício Souza, 2 a 0. No ponto de Renan, a equipe carioca abriu 4 a 1. Melhor em relação aos sets anteriores, o Sesc RJ abriu vantagem em 7 a 3. Com Tiago Barth bem no saque, o time visitante chegou a 12 a 6. Maurício Souza pontuou e o Sesc RJ fez 16 a 9. O placar ainda foi a 17 a 9 e Rubinho pediu tempo. A diferença foi a 10 pontos em 19 a 9. Maurício Borges marcou 21 a 12. O Sesc-RJ seguiu melhor e vencei a terceira parcial por 25 a 16.

O Sesi-SP abriu dois de vantagem em 4 a 2. A equipe da casa manteve os dois de vantagem em 8 a 6. Quando o time paulista chegou a 10 a 7, o técnico do Sesc RJ, Giovane, pediu tempo. Com João Rafael na diaginal, o time carioca reduziu a desvantagem em 9 a 11. Maurício Borges pontuou e o Sesc RJ encostou em 13 a 14. No erro do adversário, o Sesi-SP chegou a 18 a 15. No bloqueio simples de Douglas, 19 a 15 e pedido de tempo de Giovane. Com mais um bloqueio de Douglas, 20 a 16. O Sesi-SP ainda fez 22 a 15. No final, 25 a 18.

“Estou muito feliz pelo crescimento do time. Começamos o campeonato, fomos evoluindo e acreditamos muito nisso que juntos vamos evoluindo. Os últimos três jogos foram em uma crescente muito bacana e estou feliz por terminar o turno com uma vitória sobre um time tão forte como o Sesc-RJ. Todos estão de parabéns”, disse o ponteiro Lipe, que foi eleito o melhor em quadra.

“Ainda não é o ideal, é o primeiro jogo, não fiz nenhuma amistoso, e entrei em uma fogueira contra o Sesc-RJ, que vem muito bem na Superliga, contra um amigo, que é o Giovane. Foi um período muito difícil, a mudança de posição é complicada, mas este é um momento muito especial. Agradeço a todos e tudo torna o meu dia muito especial”, afirmou o agora líbero Murilo, que reestreou após oito meses parado.

“Sabíamos que ia ser um jogo bem difícil. Eles têm atletas muito experientes e hoje não conseguimos fazer quase nada do que foi combinado antes do jogo. Nosso saque só entrou no set que vencemos e fora isso erramos muito. Eles foram superiores”, concluiu o oposto Renan.

O Sesi-SP volta a jogar na próxima quinta-feira, às 19h, para enfrentar o Copel Telecom/Maringá, no ginásio da Vila Leopoldina. No mesmo dia, às 21h30min, o Sesc-RJ encara o EMS Taubaté/Funvic, no ginásio Abaeté.

Equipes:

Sesi-SP: William, Alan, Gustavão, Lucão, Douglas Souza, Lipe e Murilo (líbero)
entraram: Franco, Evandro, Vaccari e Renato
técnico: Rubinho

Sesc-RJ: Thiaguinho, Renan, Tiago Barth, Maurício Souza, João Rafael, Maurício Borges e Tiago Brendle (líbero)
entraram: Everaldo, Levim Japa e Juninho
técnico: Giovane Gávio

foto: Helcio Nagamine/Fiesp

sábado, 16 de dezembro de 2017

(Superliga) Minas Tênis Clube vence Lebes Canoas e recupera posição

Jogando na Arena, em Belo Horizonte, o Minas Tênis Clube venceu o Lebes Canoas por 3 sets a 0, parciais de 25/20, 25/21 e 25/15, pela 11ª rodada da Superliga 2017/2018. Com o resultado, a equipe mineira chegou aos 21 pontos e recuperou a 5ª posição, que estava com o Corinthians/Guarulhos. Já o time gaúcho parou nos 14 pontos e acabou caindo para a 8ª colocação da tabela.

O primeiro ponto saiu da mão de Bisset, do Minas Tênis Clube. Rodrigo respondeu para o Lebes Canoas. As equipes estiveram empatadas em 4 a 4. Com Eduardo marcando dois pontos seguidos, o time gaúcho abriu dois de vantagem: 8 a 6. O Minas buscou e empatou em 8 a 8. O placar esteve igual novamente em 11 a 11 e Nery Tambeiro pediu tempo. No ace de Flávio, o time da casa marcou 15 a 13 e foi a vez de Marcel Matz parar o jogo. O jogo novamente ficou igual em 15 a 15. O placar voltou a ficar em vantagem para o time mineiro em 18 a 15 e o treinador da equipe visitante pediu tempo. Com Bob, o Minas marcou 20 a 15. Com dois bloqueios consecutivos, o Lebes Canoas reduziu a diferença no marcador: 19 a 22. No final, vitória mineira por 25 a 20.

O segundo set também começou com equilíbrio, com os times empatando em 3 a 3. Com Abouba, o Lebes Canoas marcou 5 a 4. Com Bisset pelo fundo meio, o Minas Tênis Clube abriu dois de vantagem: 7 a 5. Neste momento, Marcel pediu tempo. No bloqueio de Pétrus, 9 a 7. Com Felipe Roque, os donos da casa marcaram 13 a 10. A vantagem mineira ainda foi a 15 a 11. Com Bob explorando o bloqueio adversário, o Minas Tênis Clube fez 17 a 13. O marcador ainda apontou 19 a 14 e o treinador do time gaúcho pediu tempo. Com Felipe Roque, 20 a 15. O Lebes Canoas reagiu e aproximou no placar fazendo 18 a 20. Mas, o Minas voltou a pontuar bem, fez 23 a 20 e fechou em 25 a 21.

Mais uma vez a parcial começou equilibrado: 2 a 2. O Minas teve um de vantagem em 5 a 4. O Lebes Canoas buscou e assumiu o comando do marcador em 6 a 5. Os donos da casa voltaram a comandar o set e, no ace de Bob, fizeram 9 a 6. No bloqueio, 10 a 6 e pedido de tempo para a equipe gaúcha. Pétrus pontuou e marcou 12 a 7. Com ponto de contra-ataque, o Minas Tênis Clube chegou a 15 a 9. No ponto de saque de Thiago Vanole, 17 a 9. A vantagem mineira foi a oito em 18 a 10. Na sequência, fechou em 25 a 15.

“O Minas, de um modo geral, trabalha muito forte. É um trabalho muito bem elaborado para que tenhamos a melhor performance dentro de quadra. Há uma dedicação total dos atletas, a entrega é no nível que tem que ser e os resultados vêm desse trabalho bem executado”, disse o levantador Marlon.

“O Marlon e o Bob agregaram muita experiência. Eu sou um jogador que aproveito muito e o que eu puder vou sugar dos mais experientes. E muito bom estar dentro de quadra com esses caras e é um prazer enorme jogar com jogadores como eles”, afirmou o central Flávio, que foi eleito o melhor da partida.

Equipes:

Minas Tênis Clube: Marlon, Felipe Roque, Flávio, Pétrus, Bisset, Bob e Rogerinho (líbero)
entraram: Maique, Thiago Vanole, Carísio, Davy, Pingo e Quintana
técnico: Nery Tamebeiro

Lebes Canoas: Pedro, Abouba, Matheus, Michel, Eduardo, Rodrigo e Pallotti (líbero)
entraram: Rodriguez, Leandrão e Bruno Conte
técnico: Marcel Matz

foto: Orlando Bento/MTC

(Mundial de Clubes) SadaCruzeiro perde para o Zenit Kazan e disputa o bronze

O Sada/Cruzeiro vai disputar neste domingo, às 14h30min, a medalha de bronze do Campeonato Mundial de Clubes, contra o Skra Belchatow, da Polônia. Na semifinal, a equipe celeste foi superada pelo Zenit Kazan, da Rússia, que contou com um saque arrasador para fazer 3 sets a 0, parciais de 25/23, 25/19 e 25/18. No outro cruzamento, o time polaco perdeu para o Lube Civitanova, da Itália, por 3 sets a 0.

Adversário dos brasileiros na semifinal, o Zenit Kazan foi superior na partida, contando também com um potente ataque e um bom trabalho no bloqueio. Wilfredo Leon, ponteiro cubano da equipe russa, foi um dos grandes destaques do jogo, com 20 pontos, seguido por Mikhaylov, com 14. O cruzeirente Leal também marcou 14 vezes.

“Infelizmente o nosso jogo não entrou tão bem e do outro lado os russos sacaram demais, foram bem em todos os fundamentos e conquistaram essa vitória com muitos méritos. É um resultado que frustra a gente, principalmente nosso time, acostumado às decisões, tantos títulos, e entre eles o Tricampeonato Mundial, o que é dificílimo. Seguimos com a cabeça erguida, conscientes do nosso trabalho e vamos com tudo para buscar esse terceiro lugar e levar essa medalha para o Brasil. Com certeza também não será fácil, pois é um torneio com grandes equipes, mas vamos firmes para fazer o nosso melhor em busca da vitória”, afirmou o ponteiro e capitão Filipe.

“O Zenit Kazan jogou bem no saque e seu time estava tento um alto índice de acertos nos fundamentos. Desejamos-lhes boa sorte no jogo de amanhã, enquanto nós precisamos analisar como jogamos hoje e nos preparar para domingo”, declarou o técnico Marcelo Mendez.

Equipes:

Sada/Cruzeiro: Uriarte, Leal, Simon, Evandro, Isac, Filipe e Serginho (líbero)
entraram: Alemão, Rodriguinho e Fernando Cachopa
técnico: Marcelo Mendez

Zenit Kazan: Leon, Mikhaylov, Anderson, Volvich, Gutsalyuk, Butko e Verbov (líbero)
entrou: Alekseev
técnico: Vladmir Alenko

foto: FIVB/Divulgação

(Superliga) No retorno de Murilo, Sesi-SP recebe o Sesc-RJ na Vila Leopoldina

Pela 11ª rodada da Superliga 2017, o Sesi-SP recebe o Sesc-RJ, neste sábado, às 20h, no ginásio da Vila Leopoldina. A partida, que terá transmissão do SporTV, marcará o retorno do ponteiro Murilo, que após oito meses afastados das quadras, fica à disposição do técnico Rubinho na posição de líbero. A equipe paulista é a 4ª colocada, com 21 pontos, enquanto o time do Rio de Janeiro é o vice-líder, com 28 pontos.

Fora do time do Sesi-SP desde o fim da última temporada, quando um exame de doping deu resultado positivo, Murilo viu de casa todo início da temporada, torcendo e preparando a cabeça para um ano que seria de muitas mudanças. Presente desde o início do projeto, o ponteiro retorna as quadras, porém com uma nova posição, a de líbero. Além desse novo desafio, ele será um reforço importante para o já forte time de Rubinho.

“Não preciso nem dizer que ficar de fora foi muito difícil, foram oito meses bem complicados, mas que graças a Deus ficaram para trás. Ter voltado aos treinos me ajudou bastante, ocupou minha cabeça e me deu o objetivo de voltar a jogar (...) Estou bastante ansioso. Essa semana está sendo diferente, o jogo está cada dia mais próximo. É uma estreia para mim, que tem uma mudança de posição e um confronto contra uma equipe forte, que está brigando pela liderança. Então tem muitos ingredientes para que seja um jogão, em especial para mim, depois de tudo por que passei", comentou o agora líbero Murilo.

“O confronto contra o Sesc-RJ tem muitos ingredientes. O fato deles terem vencido a Superliga B e investirem bastante para disputar essa temporada já demonstra a força. O time está bem treinado e brigando no topo da tabela pela liderança sob o comando do Giovane. Ele começou o projeto aqui no Sesi-SP e eu estava aqui junto com ele desde o primeiro ano, fomos campeões juntos. Hoje estamos em lados opostos, mas o respeito e a amizade continuam. Acho que ele está fazendo um grande trabalho lá no Sesc-RJ. Tem tudo para ser um excelente jogo, uma partida de alto nível para os jogadores em quadra e para a torcida”, finalizou.

Pelo Sesc-RJ, a partida é de extrema importância, já que uma vitória por 3 a 0 ou 3 a 1 colocará a equipe na liderança da competição no término do primeiro turno. Com os campeões olímpicos Maurício Borges e Maurício Souza, além do bom ponteiro João Rafael, o objetivo de Giovane Gavio é vencer e colocar ainda mais pressão no Sada/Cruzeiro (atualmente envolvido no Mundial de Clubes, na Polônia).

“Como apaixonado por vôlei, eu fico muito contente pelo Murilo estar podendo voltar a jogar, agora em uma nova posição. Sem dúvida, toda a experiência que ele adquiriu ao longo desses anos vai fazer com que seja um técnico dentro da quadra e vai ajudar muito a equipe dele. Como amigo, fico muito contente por ele. Como técnico do time adversário, fico muito preocupado (...) Com a qualidade do Murilo, que é acima da média, isso vai dificultar bastante o nosso trabalho amanhã, mas nosso time também é muito qualificado e quem ganha com isso são os espectadores. Torço para que seja um jogo bem disputado”, brincou o técnico Giovane Gavio.

“A equipe do Sesi é bastante forte, com grande investimento e bons jogadores. Ela foi montada para buscar o título. O jogo vai ser muito difícil e pode ser decidido nos detalhes. Nós temos que entrar e fazer o que estamos fazendo em todos os jogos (...) Sabemos da importância desses pontos fora de casa para o decorrer do campeonato. O topo da tabela é bem disputado, são equipes que vão brigar no returno ponto a ponto pelas maiores colocações. Então vamos entrar focados para buscar esses pontos”, analisou o central Tiago Barth.

Equipes:

Sesi-SP: William, Alan, Lucão, Gustavão, Douglas Souza, Lipe e Murilo (líbero)
técnico: Rubinho

Sesc-RJ: Thiaguinho, Renan, Maurício Souza, Tiago Barth, João Rafael, Maurício Borges e Tiago Brendle (líbero)
técnico: Giovane Gávio

foto: Sesi-SP/Divulgação

Com tabela definida, Superliga B promete edição equilibrada e sem favoritos

A 7ª edição da Superliga B começa no dia 20 de janeiro, com quatro partidas envolvendo os oito times participantes. A fase eliminatória será realizada em turno único e servirá para definir as posições das equipes para as quartas de final, que começam no dia 17 de março e serão disputadas em melhor de três jogos, bem como as semifinais. A grande decisão está prevista para o dia 14 de abril.

A primeira da Superliga B terá o duelo entre a Upis e o São Francisco/Vôlei Ribeirão Preto, às 17h, no ginásio da AABB, em Brasília. Na sequência, às 18h, o Botafogo recebe o Super Vôlei/Santo André, no ginásio Oscar Zelaya, no Rio de Janeiro, enquanto às 18h30min, o Montecristo/Artesanal pega o Uberlândia/Gabarito/Start Química, na Arena MonteCristo, em Goiânia, e às 19h30min, a Apan/Esferatur enfrenta o Vôlei Um Itapetininga, no ginásio Galegão, em Blumenau.

Vale lembrar que a partir desta edição os dois melhores clubes garantem vaga para a elite nacional (Superliga 2018/2019). Até o momento nenhuma emissora se manifestou a respeito de transmissões das partidas, porém a CBV já confirmou alguns confrontos no facebook da entidade. A expectativa é que pelo menos a decisão passe ao vivo no SporTV e na Rede TV!

Confira a tabela completa clicando aqui

foto: CBV/Divulgação

(Superliga) Ponta Grossa/Caramuru leva a melhor sobre o Montes Claros

Em jogo válido pela 11ª da Superliga 2017/2018, o Ponta Grossa/Caramuru derrotou o Montes Claros por 3 sets a 0, parciais de 29/27, 25/23 e 25/16, no ginásio Tancredo Neves. Com a vitória, o time paranaense chegou aos 11 pontos e permanece na 9ª colocação, ou seja, ainda vivo na briga pelos playoffs, enquanto o Pequi Atômico parou nos oito pontos e continua no 10º lugar da tabela.

O primeiro ponto foi do Montes Claros, com o oposto Alemão. Pelo meio, com Maycon, o Ponta Grossa Caramuru marcou o seu primeiro ponto. No ace de Leozão, o time visitante virou o jogo (3 a 2). Com Tarcísio, o Montes Claros fez 6 a 5. Os donos da casa chegaram a 8 a 5 no ponto de bloqueio e Fábio Sampaio pediu tempo. Com Alemão pontuando bem, o Montes Claros Vôlei chegou a 10 a 7. A equipe mineira manteve a vantagem em 15 a 12. No bloqueio, o Ponta Grossa Caramuru encostou no placar: 16 a 17. Sérgio Cunha pediu tempo. No ponto de saque de Tarcísio, o Montes Claros voltou a abrir: 19 a 16. Com ponto de bloqueio, o time paranaense empatou (19 a 19). Em uma reta final bastante equilibrada, novo empate em 22 a 22. O Ponta Grossa Caramuru chegou ao ponto do set em 25 a 24 e Sérgio Cunha pediu tempo. O time visitante fechou em 29 a 27.

O segundo set também começou com equilíbrio. Com as equipes trocando pontos, estiveram empatadas em 3 a 3 e depois em 5 a 5. O Ponta Grossa Caramuru teve um de vantagem em 8 a 7 e, com Tarcísio, o Montes Claros empatou. A equipe paranaense marcou 11 a 9 e Sérgio Cunha parou o jogo. No bloqueio de Cris, o Caramuru chegou a 14 a 10. Contando com erros do adversário, os visitantes fizeram 17 a 13 e o treinador do Montes Claros pediu tempo. No erro do time mineiro, o Ponta Grossa abriu cinco de vantagem: 20/15. Os donos da casa diminuíram a diferença em 18 a 21. E o Ponta Grossa Caramuru fechou o segundo set em 25 a 23.

Embalado pelas vitórias nos sets anteriores, o time paranaense começou melhor também no terceiro e abriu 4 a 2. Com Leozão, o Caramuru abriu 7 a 4. O técnico do Montes Claros Vôlei pediu tempo. No erro do adversário, o time de Ponta Grossa abriu 9 a 5. No ponto de saque de Zanotti, o Montes Claros Vôlei tirou a diferença em 7 a 9. Pelo fundo meio, Cris marcou 13 a 9. A vantagem paranaense foi a seis pontos em 17 a 11. O placar ainda foi a 20 a 14 e o treinador do time mineiro pediu tempo. Contando com erros do adversário, o Ponta Grossa Caramuru chegou a 23/15. Na sequência, fechou o set em 25 a 16.

“Viemos trabalhando bastante. Fizemos um jogo ruim conta o Minas na rodada passada e viemos com tudo hoje para conseguir essa vitória. Nosso ponteiro acabou machucando, substituímos, mas o nosso time é competente e mostro isso”, disse o ponteiro Léo, que foi eleito o melhor em quadra.

“Parabéns para a equipe deles. Todos jogaram bem, defenderam muito, é um time que tem muito volume de jogo, e nós erramos demais. Pagamos um preço alto por isso. A equipe sentiu um pouco a perda do primeiro set, que estava na mão, mas não temos muito o que lamentar. Temos um próximo jogo que precisamos ganhar”, afirmou o levantador Sandro.

O Montes Claros segue em casa na próxima rodada, quando receberá o Lebes Canoas na próxima quinta-feira, às 19h, no ginásio Tancredo Neves. No mesmo dia, às 20h, o Ponta Grossa/Caramuru encara o Vôlei Renata, no ginásio Taquaral, em Campinas.

Equipes:

Montes Claros: Sandro, Alemão, Tarcísio, Mesa, Zanotti, Najari e Alan (líbero)
entraram: Wanderson, Luan, Mudo, Lorena e Cristiano
técnico: Sérgio Cunha

Ponta Grossa/Caramuru: Índio, Leozão, Maycon, Thales, Peron, Léo e Bruninho (líbero)
entraram: Cris, Rubbo, Gustavo, Da Silva e Dutra
técnico: Fábio Sampaio

foto: Letícia Soares/MOC

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Campeonato Mundial 2018 será ‘nova’ prova de fogo para Seleção Brasileira

No final de novembro, a Federação Internacional de Vôlei divulgou a tabela e a configuração dos grupos para o Campeonato Mundial de 2018, que será realizado de 10 a 30 de setembro, na Itália e na Bulgária. A Seleção Brasileira caiu no Grupo B, ao lado de Canadá, França, Egito, China e Holanda, e jogará a primeira fase na cidade de Ruse, na Bulgária.

O técnico Renan Dal Zotto, que desde que assumiu o time brasileiro já levou a equipe para três decisões, sendo campeão em duas oportunidades, acompanhou atentamente o sorteio e falou sobre os primeiros adversários que a Seleção Brasileira enfrentará na busca pelo quarto título mundial (o time verde e amarelo ganhou em 2002, na Argentina, em 2006, no Japão, e em 2010, na Itália).

“É um grupo interessante e perigoso ao mesmo tempo. No nosso grupo está uma equipe como a França, que dispensa apresentações. É a atual campeã da Liga Mundial, muito equilibrada em todos os fundamentos e, certamente, é uma forte candidata a chegar a uma reta final de Campeonato Mundial também (...) O Canadá, sem dúvida alguma, foi uma equipe que evoluiu muito, com jovens talentos e com o Antiga (Stéphane Antiga, treinador) fazendo um ótimo trabalho. Ele colocou em jogo alguns garotos muito interessantes, com potencial enorme. É uma seleção extremamente perigosa justamente por essa grande evolução nos últimos anos”, disse o treinador brasileiro, que ainda destacou a importância de um estudo maior em reação aos outros três adversários.

“Sobre o Egito temos pouca informação, assim como a China, mas sabemos que são equipes que jogam com muita velocidade. A China tem um sistema muito parecido com o do Japão, sempre com muita velocidade, volume, defesa. E a Holanda está com uma seleção renovada, jovem, que vai para o tudo ou nada. É uma seleção de tradição, alta e com bom potencial de bloqueio e saque muito fortes”, detalhou Renan Dal Zotto.

No Grupo A estão Itália, Argentina, Japão, Bélgica, Eslovênia e República Dominicana. O Grupo C conta com as seleções dos Estados Unidos, Rússia, Sérvia, Austrália, Tunísia e Camarões. O Grupo D é formado pelas seleções da Bulgária, Polônia, Irã, Cuba, Finlândia e Porto Rico. No regulamento serão quatro grupos com quatro equipes provenientes da primeira fase. Na sequência ocorrem a terceira fase, semifinais e finais.

foto: Valterci Santos/MPIX/CBV

(Superliga) Em confronto direto, Montes Claros pega o Ponta Grossa/Caramuru

Nesta sexta-feira, às 21h45min, o Montes Claros recebe o Ponta Grossa/Caramuru, no ginásio Tancredo Neves, pela 11ª rodada da Superliga 2017/2018. Na 10ª colocação, com oito pontos, o time mineiro quer vencer para voltar a brigar por uma vaga nos playoffs e se distanciar do rebaixamento. Já a equipe paranaense aparece na 9ª posição, também com oito pontos, e tendo o mesmo objetivo do adversário. A partida terá transmissão do SporTV.

No Montes Claros, o momento é de aproveitar a vitória sobre o Copel Telecom/Maringá na rodada anterior e embalar de vez de olho no segundo turno. O técnico Sérgio Cunha considera a partida de extrema importância, não apenas por se tratar de um duelo direto na tabela, mas também por colocar em quadra duas equipes bem parecidas e que tiveram altos e baixos no primeiro turno.

“Vamos encarar um jogo difícil amanhã. É uma partida que vale seis pontos e que, se ganharmos encostamos no grupo dos oito classificados. Por isso, estamos nos preparando bem, estudando bastante o adversário, fizemos boas sessões de treinamento e esperamos fazer um bom jogo (...) Estamos com o grupo completo e isso é muito positivo. Precisamos de força máxima para enfrentar a equipe deles. O Caramuru tem um oposto bastante efetivo e é um time que defende bastante, temos que ter paciência para colocar a bola no chão”, disse o técnico Sérgio Cunha.

Pelo lado do Ponta Grossa/Caramuru, a derrota para o Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte, já ficou no passado e o técnico Fábio Sampaio sabe que agora é pensar em vencer o Montes Claros e não desgrudar do G-8. Pelo que mostrou na rodada anterior, todos no time paranaense admitem que poderiam ter saída com algum bom da capital mineira, porém isso não aconteceu e agora a vitória é fundamental.

“Enfrentamos um jogo difícil ontem, o Minas é uma equipe muito estudiosa. O Leozão fez uma grande partida, mas, justamente por enfrentar um time estudioso, eles marcaram bem o bloqueio. O Minas teve mérito na vitória por 3 a 0, mas vejo Caramuru em constante evolução e crescimento (...) Poderíamos ter saído com algum ponto na bagagem, mas vemos isso como algo normal. Agora é trabalhar mais. Já estamos pensando na equipe de Montes Claros e vamos com tudo para cima. É um adversário direto dentro das pretensões do nosso time e na classificação na tabela”, afirmou o técnico Fábio Sampaio.

Equipes:

Montes Claros: Sandro, Alemão, Tarcísio, Mesa, Zanotti, Najari e Alan (líbero)
técnico: Sérgio Cunha

Ponta Grossa/Caramuru: Índio, Leozão, Maycon, Thales, Léo, Perón e Bruno (líbero)
técnico: Fábio Sampaio

foto: Montes Claros/Divulgação