sexta-feira, 24 de junho de 2016

São José Vôlei pode disputar o Campeonato Paulista com jovens da base

Depois de confirmar junto a Confederação Brasileira de Vôlei que não irá disputar a Superliga 2016/2017, o São José Vôlei viabilizar a participação da equipe no Campeonato Paulista – Divisão Especial. Nesta semana, a federação local enviou uma tabela aos clubes onde consta a participação do time do Vale do Paraíba, porém sua presença ainda não está garantida.

“O prazo para inscrição estava em cima. E explicamos para a Federação Paulista qual é a nossa realidade. Por isso que aparecemos nas tabelas dos campeonatos. Mas estamos negociando. Nosso objetivo é seguir os passos do basquete aqui da cidade. O basquete deve disputar o Paulista com um time da base. E o mesmo seria feito no vôlei”, afirmou o diretor do São José Vôlei, Fernando Basílio, em entrevista ao globoesporte.com

Mesmo com Renato Soares, o Banana querendo continuar como treinador, a tendência é que Fabrizio Capello esteja a frente de uma equipe que teria em sua maioria jogadores do time Sub-21, que hoje disputa o Estadual da categoria. Atualmente, esse time ocupa a 3ª posição no torneio, atrás apenas de São Bernardo e Sesi-SP, após seis rodadas.

foto: Divulgação

(Liga Mundial) Brasil supera derrota para a Sérvia e passa pelo Irã

Na segunda partida da segunda semana da Liga Mundial, a Seleção Brasileira bateu o Irã por 3 a 1, parciais de 25/18, 24/26, 25/16 e 25/17, no ginásio Aleksandar Nikolic, em Belgrado. Com o resultado, o time de Bernardinho se recupera da derrota para a Sérvia e segue na segunda colocação geral, com 12 pontos. Neste sábado, às 11h (horário de Brasília), a equipe verde e amarela encara a Bulgária, com transmissão do Sportv.

O Irã logo abriu 2 a 0, mas o Brasil buscou e, no bloqueio de Wallace, assumiu o comando do placar (3 a 2). No erro do adversário, o time brasileiro colocou dois de vantagem em 6 a 4. A diferença aumentou em 9 a 6. Com dois pontos de saque seguidos de Lucarelli, o Brasil fez 12 a 8. Em mais um ace do ponteiro, 14 a 8. Lucão, pela saída de rede, pontuou e a seleção brasileira chegou a 18 a 13. Com Isac, o placar foi a 20 a 15. Lucarelli conseguiu mais dois aces e o Brasil fez 22 a 15. No bloqueio simples de Wallace, 24 a 16. E o time verde e amarelo fechou em 25 a 18.

Assim como o primeiro, o segundo set também teve um início equilibrado, com as equipes empatadas em 3 a 3. O Irã assumiu o placar e abriu dois pontos em 8 a 6. Os iranianos seguiram com bom ritmo no ataque e chegaram a 11 a 8. No ace de Lucão, o Brasil encostou em 12 a 11. No segundo tempo técnico, o Irã abriu três (16 a 13). Quando o adversário fez 17 a 13 no bloqueio, Bernardinho pediu tempo. Com ponto de saque, o Irã chegou a 20 a 15. A Seleção Brasileira, então, em boa passagem de Maurício Souza pelo saque, reduziu a desvantagem para 21 a 18. No bloqueio de Evandro, 21 a 19 e, ainda com Maurício no saque, 21 a 20. Com Maurício Borges, o Brasil empatou (23 a 23). No bloqueio, o Irã fechou em 26 a 24.

O oposto Wallace abriu o placar para o Brasil no terceiro set. O Irã fez 2 a 2 e, no bloqueio de Isac, a seleção brasileira passou a frente (3 a 2). Com Lucarelli, 6 a 4. Wallace explorou o bloqueio adversário e o time verde e amarelo chegou a três de vantagem: 8 a 5. O Irã reagiu e deixou tudo igual em 9 a 9. O Brasil voltou a pontuar e fez 12 a 10. Na sequência, aumentou a vantagem para 16 a 12. No bloqueio de Lucão, 17 a 12. O marcador ainda chegou a 20 a 14. Quando a equipe brasileira chegou a 22 a 16, o Irã pediu tempo. No bloqueio de Isac, o Brasil fechou em 25 a 16.

Bem no início do quarto set, o Brasil abriu 3 a 0 em boa passagem de Bruninho pelo saque. Na sequência, a equipe verde e amarela abriu 5 a 1 e os iranianos pararam o jogo. Com Maurício Borges pontuando bem, a seleção fez 10 a 3. No ace de Wallace, 11 a 3. Com Lucarelli, o time brasileiro marcou 15 a 8. Maurício Borges levou o Brasil a fazer 18 a 11. Neste momento, o Irã pediu tempo. No ace de Maurício, 20 a 12. No erro de saque do adversário, 24 a 16 para o Brasil, que fechou em 25 a 17.

“Ontem, não tivemos o resultado que gostaríamos, contra a Sérvia, mas, hoje, consegui entrar e ajudar a equipe, passando uma energia boa para eles. O grupo todo jogou bem hoje e foi muito importante conseguir essa vitória”, disse o ponteiro Maurício Borges.

“Hoje foi uma vitória para dar confiança para a nossa equipe novamente. Vínhamos de três jogos bons no Brasil e ontem sofremos uma derrota em um jogo pesado, difícil. Por isso, além da importância dos três pontos, conseguir esse resultado de hoje foi bom para voltar a nossa confiança total (...) Sabemos que temos que evoluir em alguns pontos, como na sequência de saque, temos que pressionar mais o adversário e melhorar um pouco mais o nosso bloqueio, mas nada pode tirar a alegria de uma vitória”, comentou o ponteiro Lucarelli.

Equipes:

Brasil: Bruninho, Wallace, Lucão, Isac, Lucarelli, Maurício Borges e Tiago Brendle (líbero)
entraram: Evandro, Wallace e Maurício Souza
técnico: Bernardinho

Irã: Shahram, Ebadipour, Marouf, Seyed, Gholami, Mana e Marandi (líbero)
entraram: A. Mobasheri, A. Behbodi, Mobasheri e Zarini
técnico: Raul Lozano

foto: FIVB/Divulgação

Botafogo confirma presença na próxima edição da Superliga B

Tendo feito uma boa campanha, chegando as semifinais, o Botafogo confirmou que estará na próxima edição da Superliga B. Pensando em garantir o acesso a elite, a diretoria alvinegra garante montar um elenco mais forte e capaz de conquistar a vaga, ainda mais que a competição deve ter mudanças importantes, como a duração (de novembro a abril).

“O time que estamos montando será mais forte do que o da última edição. Mantemos a base e trouxemos reforços pontuais, continuando o foco de valorizar nossos atletas da base. Buscamos patrocínios para nos ajudar nessa difícil escalada (...) Será fundamental o apoio de nossa torcida, lotando nosso Ginásio em todos os jogos. O torcedor alvinegro foi o grande responsável pela nossa invencibilidade em casa na última temporada”, declarou o diretor de voleibol do Botafogo, Guilherme Lopes.

A intenção da diretoria alvinegra é ver a torcida lotando o ginásio Oscar Zelaya, como já aconteceu na última edição, quando o Botafogo perdeu nas semifinais para o Caramuru/Castro, que acabou sendo campeão e vai disputar a elite nacional na temporada 2016/2017. Antes da Superliga B, o Alvinegro vai disputar a Copa Rio e o Campeonato Carioca.

foto: Vítor Silva/SSPress/Botafogo

Com autoridade, Upis/Brasília conquista a Liga do Desporto Universitário

Jogando na Arena Monte Cristo, em Goiânia, a Upis/Brasília confirmou seu favoritismo e conquistou o título da Liga do Desporto Universitário. Durante três dias, os comandados de Flávio Thiessen derrotaram times oriundos de Pernambuco, Minas Gerais e Goiás mostrando que é, no momento, a equipe a ser batida quando o assunto são competições universitárias.

“Raramente trabalho não é coroado com vitória, com resultado. A gente tem trabalhado duro, com o objetivo de crescer cada vez mais. Nós não temos o objetivo de ganhar de alguém, nós temos o objetivo de ficar melhor que nós mesmos cada dia mais, e esse objetivo tem sido alcançado”, declarou o ponteiro Jerson.

Na campanha, a Upis/Brasília encarou na estreia a Unipac, de Minas Gerais, que recentemente esteve ao lado da equipe do Distrito Federal na Superliga B. Mesmo perdendo o primeiro set, o time da capital federal deu a volta por cima e venceu por 3 sets a 1, parciais de 21/25, 25/16, 25/14 e 25/16. No segundo jogo, a vitória ocorreu diante do Uninassau, de Pernambuco, hoje o principal time do nordeste, por 3 sets a 0, parciais de 22/25, 22/25 e 15/25. No jogo do título, vitória tranquila sobre a PUC, de Goiás, por 3 sets a 0, parciais de 25/15, 25/16 e 25/15

Confira a tabela:

21/6 (terça-feira)
Upis 3 x 1 Unipac, parciais de 21/25, 25/16, 25/14 e 25/16
PUC 0 x 3 Uninassau, parciais de 16/25, 18/25 e 16/25

22/6 (quarta-feira)
Unipac 3 x 0 PUC, parciais de 25/11, 25/16 e 25/16
Uninassau 0 x 3 Upis, parciais de 22/25, 22/25 e 15/25

23/6 (quinta-feira)
Uninassau 3 x 1 Unipac, parciais de 25/18, 26/24, 27/29 e 25/21
Upis 3 x 0 PUC, parciais de 25/15, 25/16 e 25/15

foto: Upis/Divulgação

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Central André Luiz Radtke troca Toulouse pelo Montpellier na França

Aos 33 anos, o central André Luiz Radtke é pouco conhecido no Brasil, tendo iniciado a carreira no sul do país, atuando por Sogipa, Barão/Blumenau e Purity/Cesumar, porém teve bons momentos no voleibol argentino, onde vestiu as camisas da Upcn, Unión de Formosa e Buenos Aires Unidos. Na sequência foi para a França e após três temporadas se tornou ídolo no Spacer Toulouse.

Na temporada 2015/2016 ajudou o a fazer a quarta melhor campanha da fase classificatória da Pro A (a primeira divisão francesa), porém nas quartas de final acabou eliminado pelo Ajaccio por 2 jogos a 0. Agora, André Luiz Radtke terá um novo desafio, já que acertou recentemente sua transferência para o Montpellier, que foi apenas o 11º colocado no campeonato nacional.

“É eficiente tanto na parte ofensiva quanto defensiva”, resumiu o treinador Loic Lemarrec ao falar da contratação do central brasileiro.

O Montepellier pretende apostar forte para a temporada 2016/2017, sendo que o objetivo é colocar o time pelo menos nos playoffs da Pro A. Além de André chegaram para reforçar a equipe: o holandês Thomas Koelewijn, o ucraniano Andrii Diachkov e o espanhol Gustavo Delgado. 

foto: Spacer Toulouse/Divulgação

(Liga Mundial) Brasil leva virada e perde para a Sérvia em Belgrado

No confronto dos únicos invictos no Grupo 1 da Liga Mundial, a Seleção Brasileira acabou perdendo, de virada, para a Sérvia por 3 sets a 1, parciais de 19/25, 25/15, 25/21 e 25/22, no ginásio Aleksandar Nikolic, em Belgrado. Na busca por recuperação, a equipe do técnico Bernardinho enfrentará o Irã nesta sexta-feira, às 11h (horário de Brasília), com transmissão do Sportv.

A partida começou com o equilíbrio esperado, com as duas equipes empatando em 2 a 2. Depois de uma bola bastante disputada, Wallace pontuou e fez 3 a 2. O Brasil conseguiu abrir três de vantagem em 8 a 5. Na volta do tempo técnico, a equipe brasileira voltou a pontuar e, com Lipe e Lucão, chegou a 10 a 5. A Sérvia pediu tempo. No ace de Lipe, 13 a 7. O jogo voltou a ser mais equilibrado em 19 a 15. Com Maurício Souza, a seleção brasileira fez 22/16 e voltou a abrir vantagem. E, com Wallace, o Brasil fechou em 25 a 19.

A Sérvia saiu na frente no segundo set. Com grande saque de Nikic, a equipe da casa fez 4 a 2. A seleção brasileira chegou ao empate em 5/5. Bem no saque, os sérvios ainda chegaram a 11 a 7. Neste momento, Bernardinho pediu tempo. A Sérvia manteve o bom ritmo, principalmente no saque, e, contando com erros do Brasil, fez 16 a 9. Quando os adversários chegaram a 18 a 10, Bernardinho parou o jogo novamente. Com uma boa diferença no placar a favor (21 a 13), os sérvios administraram a vantagem e fecharam, com mais um ponto de saque, em 25 a 15.

Wallace abriu o terceiro set a favor do Brasil. Os sérvios empataram em 3 a 3 e, com bom saque, passaram a frente em 4 a 3. O marcador ficou igual novamente em 6 a 6. A equipe da casa ainda fez 8/6. Embalados pela torcida, que encheu o ginásio, os sérvios chegou a 10 a 7. Com dois bloqueios seguidos, a Sérvia abriu cinco pontos (13 a 8). O Brasil reduziu a desvantagem para 14 a 11. No ace de Podrascanin, a Sérvia fez 17 a 12. A diferença foi para seis pontos (18 a 12). Com 19 a 14, o Brasil fez a inversão com William e Evandro. Ainda muito bem no saque, o time da casa marcou 21 a 14. A seleção brasileira reagiu e, quando fez 21 a 17, a Sérvia pediu tempo. Em boa passagem de Lipe no saque, o placar foi a 21 a 19. Mas, a equipe da casa voltou a pontuar no saque e fez 23 a 19. No final, 25 a 21.

A Sérvia saiu na frente na quarta parcial e, com forte ataque de Éder, o Brasil passou a frente em 3 a 2. Os donos da casa voltaram a assumir o comando do marcador e abriram três em 8 a 5. Contando com erros do Brasil, os sérvios ainda fizeram 10 a 6 com ponto de bloqueio. Com mais um ace, 12 a 7, e com ponto no mesmo fundamento, 14 a 8 para a Sérvia. O Brasil buscou e, no contra-ataque, fez 15 a 11. Os donos da casa voltaram a pontuar bem (18 a 13) e então foi a vez da seleção brasileira reagir (18 a 15). Com Evandro bem no ataque, o placar ainda equilibrou mais em 18 a 16, e o Brasil empatou em 18 a 18. No ace de Lucarelli, 19 a 18. Com bloqueio de Maurício Souza, 20 a 18, e também com ele, no saque, 22 a 19. Novamente com bom aproveitamento no saque, principalmente com Lisinac, a Sérvia empatou em 22 a 22, virou e fechou em 25 a 22.

“A Sérvia mereceu ganhar e isso não se discute. Essa é a verdade. Mérito deles, pois sacaram muito bem. Que sirva de aprendizado. Tivemos algumas oportunidades de contra-ataque e não soubemos aproveitar. Parabéns pra eles”, comentou o levantador Bruninho.

“A Sérvia lidou muito bem com a pressão. Além disso, eles sacaram bem e mereceram a vitória”, afirmou o técnico Bernardinho.

Equipes:

Brasil: Bruninho, Wallace, Lucão, Maurício Souza, Lucarelli, Lipe e Serginho (líbero)
entraram: William, Evandro, Eder e Maurício Borges
técnico: Bernardinho

Sérvia: Lisinac, Atanasijevic, Nikic, Podrascanin, Ivovic, Jovovic e Majstorovic (líbero
entraram: Rosic
técnico: Nicola Grbic

foto: FIVB/Divulgação

Brasil Kirin acerta renovação do líbero Tiago Brendle

Seguindo sua política de anunciar aos poucos os jogadores que farão parte do elenco para a temporada 2016/2017, a diretoria do Brasil Kirin renovou com mais um destaque da última Superliga. O líbero Tiago Brendle, que está com a Seleção Brasileira na disputa da Liga Mundial, acertou sua permanência, sendo assim o quinto remanescente da campanha do vice-campeonato nacional.

“Estou feliz em renovar. Valorizo muito este projeto, a torcida e a sinergia com a cidade. Na temporada passada, tivemos ótimos resultados durante toda trajetória e na que vai começar tenho certeza que não será diferente. Vamos nos condicionar através de muito trabalho, união e disposição. Mais do que títulos, queremos manter o Vôlei Brasil Kirin grande e Campinas envolvida com a gente”, comentou Tiago Brendle.

Contratado na última temporada pelo time de Campinas, Tiago Brendle foi uma das estrelas do sistema defensivo da equipe de Alexandre Stanzioni, que terminou como o melhor da última Superliga. As boas atuações renderam ao líbero nova convocação para a Seleção Brasileira e até o momento ele segue na briga por uma das 12 vagas para os Jogos Olímpicos Rio/2016.

Confira o elenco:

Levantadores: Rodriguinho e Jotinha
Opostos: Rivaldo e Gregore
Centrais: Vini, Matheus
Ponteiros: Diogo, Bruno Temponi e Ygor Ceará
Líberos: Tiago Brendle

foto: Brasil Kirin/Divulgação

Copel Telecom/Maringá anuncia Nutti como treinador e pacotão de reforços

De uma só tacada, a diretoria do Copel Telecom/Maringá anunciou oficialmente a comissão técnica e o grupo de jogadores para a temporada 2016/2017. Com grande reformulação, quem comandará o time será Sidnei Nutti, que esteve um bom período na Seleção Brasileira e terá sua primeira experiência como treinador principal. Ao seu lado estarão: Otávio Machado (auxiliar técnico), João Alexandre Kiko (assistente técnico) e Sérgio Maçam (preparador físico).

Depois de quase acertar uma parceria com a Voleisul para disputar a Superliga 2016/2017, o Copel Telecom/Maringá acabou recebendo um convite da CBV para ocupar a vaga do São José Vôlei, que desistiu da competição por problemas financeiros. Pensando em melhor a colocação, já que ficou no 11º lugar na edição passada, apenas cinco jogadores do elenco passado continuam, casos dos levantadores Ricardinho e Elder Coutinho, dos centrais Ualas Martins e Mudo e do líbero Guilherme Gentil.

O orçamento para a temporada é considerado um dos menores da Superliga, mas para o levantador e presidente da equipe, Ricardinho, o time base que já está praticamente definido para o início dos trabalhos é competitivo. Chegaram jogadores experientes, como o oposto Leozão, ex-Funvic/Taubaté, o central Michael, ex-Brasil Kirin e o ponteiro Renato Hermely, ex-JF Vôlei. O destaque fica por conta do bom líbero Felipe, que chegou a ser chamado por Bernardinho, que estava na Funvic/Taubaté.

Com aval de Ricardinho e Nutti, que se conhecem desde os tempos de Cocamar (ex-equipe paranaense que já disputou a Superliga nos anos 90) chegam jogadores não muito conhecidos do público brasileiro, como os jovens Pedro Téles (levantador, que estava na Funvic/Taubaté) e o ponteiro Matheus Seco (ponteiro, que atuava no Brasil Kirin), além do também ponteiro Thiago Aranha, que estava no voleibol francês, e do oposto Marcílio Silva, que atuava na Espanha.

“O elenco é esse, um time competitivo mesclando atletas jovens e experientes. Agora vou sentar com a diretoria e com nossos supervisores para rever todo o orçamento para a temporada, mas com certeza estamos esgotados (...) Estamos abertos a empresas que queiram patrocinar o voleibol de Maringá, com certeza precisamos de mais patrocinadores, até porque, o ideal seriam pelo menos mais dois grandes nomes para fortalecer a equipe, mas pelo orçamento atual fica impossível”, declarou Ricardinho.

Confira o elenco:

Levantadores: Ricardinho, Élder e Pedro Téles
Opostos: Leozão e Marcílio Silva
Centrais: Michael, Ualas e Mudo
Ponteiros: Renato Hermely, Matheus Seco e Thiago Aranha
Líberos: Felipe e Guilherme Gentil

foto: Unisul/Divulgação